Estudos

Diferentes tipos de cogumelos mágicos

Quer descobrir como saber se é seguro comer um cogumelo que você encontrou por aí? Muita calma nessa hora: aqui, vamos dar algumas dicas para te ajudar a identificá-lo!

Atenção: esse conteúdo foi feito para matar a curiosidade! O Girls in Green não recomenda utilizar posts da internet ou fotos para identificar cogumelos que serão consumidos. Se você deseja uma base mais sólida para sua caça aos cogumelos mágicos, estude a micologia mais a fundo para evitar riscos.

Os cogumelos mágicos, assim chamados pelos seus poderes alucinógenos, têm chamado cada vez mais atenção. Além de serem psicodélicos incríveis e proporcionar viagens responsáveis por uma verdadeira expansão mental, eles são atualmente alvos de pesquisas ao redor do mundo por seus efeitos terapêuticos que vão do tratamento de ansiedade e depressão existencial até a ajuda para deixar certos “vícios”.

A grande responsável por esses efeitos é a psilocibina. Ela se trata de um alcaloide psicodélico que ativa principalmente os receptores de serotonina (5ht2a), mais proeminentes na área do nosso cérebro responsável pelo nosso humor, cognição e percepção. A substância ainda é, segundo o Global Drug Survey, a droga mais segura do mundo. Sua taxa de risco é pelo menos três vezes menor que a de qualquer outro psicoativo, seja natural ou sintético.

Você pode ler mais sobre a psilocibina nesse artigo completo.

Mas essa substância só pode ser encontrada em algumas espécies de cogumelo, como o Psilocybe cubensis e alguns parentes próximos. E é aí que mora o perigo: na caçada pelos alucinógenos, muita gente pode se confundir e acabar comendo algo venenoso. Isso torna a experiência extremamente arriscada.

Para ajudar você a não passar perrengue nessa missão, vamos falar aqui sobre os principais tipos de cogumelos alucinógenos e como identificá-los. Mas vamos deixar um alerta: não recomendamos o consumo de fungos dos quais você não tenha conhecimento da espécie! Estude bem antes de colocar qualquer um deles na sua boca, ok?

Vamos lá!

 

Principais tipos de cogumelos mágicos

Quando falamos em cogumelos com psilocibina, alguns dos mais conhecidos são:

  • Psilocybe cubensis;
  • Strains e híbridos do Psilocybe cubensis;
  • Psilocybe azurescens;
  • Psilocybe semilanceata;
  • Psilocybe mexicana;
  • Psilocybe cyanescens;
  • Psilocybe baeocystis.

 

Como identificar cogumelos com psilocibina

cogumelos mágicos
Cogumelos mágicos podem ter algumas características em comum. Imagem: Girls in Green.

Embora tenham suas diferenças, existem algumas características compartilhadas entre os cogumelos com psilocibina. Normalmente (mas nem sempre, viu?), os psiconautas devem procurar por:

  • cogumelos com uma cor marrom dourada;
  • tendem a ter um véu roxo protegendo as brânquias, ou, se quebrado, um pequeno anel roxo escuro no caule;
  • seus caules apresentam manchas azuis quando machucados.

Curiosidade: essa reação é bem complexa, e, em 2019, cientistas descobriram as suas causas. O pigmento azul não é apenas um único composto, mas uma mistura complexa de produtos de oxidação da psilocibina. A maioria deles são oligômeros de psilocina quinóides – compostos não muito diferentes do índigo, um pigmento azul escuro usado para tingir jeans. Todos os seis pigmentos identificados pela equipe do estudo são produtos de uma reação em cascata começando com psilocibina.

Com esse conhecimento básico em mente, vamos seguir para as características mais específicas dos cogumelos que citamos acima!

 

Como identificar o Psilocybe cubensis

cogumelos mágicos
Cogumelos Golden Teacher já secos. Imagem: Girls in Green.

O Psilocybe cubensis é o cogumelo mágico mais popular do mundo, e cresce com bastante frequência não apenas nos Estados Unidos e na América Central, mas também em todo o resto do mundo, incluindo América do Sul, Cuba, Austrália e muitas partes da Ásia. Ele tem sido muito usado na fabricação de microdoses!

Seu habitat natural é geralmente uma pastagem úmida. Muitos micologistas se referem a ele como um fungo coprofílico. Ou seja: ele adora um cocozinho de vaca, cavalo ou qualquer tipo de esterco. Pode parecer meio nojento, mas a razão para isso é realmente muito interessante. O esterco de mamíferos comedores de grama tende a ter uma acidez muito baixa. Isso é importante (e bem interessante), já que normalmente os animais comem os esporos de cogumelos mágicos e eles se desenvolvem em suas fezes. Loucura, né?

Na aparência, o Psilocybe cubensis muda de cor dependendo da idade. Enquanto jovem, sua coloração é marrom-avermelhada, quase canela. Ao amadurecer mais, ele assume uma coloração marrom-dourada, e pode mudar para um amarelo pálido ou quase completamente branco quando velho. A tampa é cônica ou em forma de sino quando jovem e pode se expandir para uma aparência mais convexa com o passar do tempo. Quando machucado, um tom azulado pode ser observado.

 

Diferentes cepas de Psilocybe cubensis

O Psilocybe cubensis tem tantas cepas diferentes que seria impossível falar de todas elas, mas existem algumas mais comuns que podemos abordar!

Cogumelos Golden Teacher: bem comuns aqui no Brasil, essa variedade levemente potente se parece com seu homônimo, apresentando chapéus lindamente largos e dourados e hastes grossas e sinuosas.

Cogumelos B+ cubensis: esses cogumelos mágicos crescem na natureza em áreas úmidas dos Estados Unidos, como a Flórida, e são um híbrido de Psilocybe azurescens e Psilocybe cubensis. Ela é rápida para germinar e, na maturidade, apresenta um chapéu grande cor de caramelo e um caule grosso.

Cogumelos Penis Envy: com um formato, como você já deve imaginar, bem fálico, essa cepa apresenta um chapéu marrom dourado e um caule amarelo pálido. É conhecida por sua propensão à contaminação e vida útil curta, embora seja muito potente.

 

Como identificar o Psilocybe azurescens

cogumelos mágicos
Psilocybe azurescens. Imagem: DoubleBlind Mag.

O Psilocybe azurescens, também chamado de cogumelo “disco voador”, tende a crescer na natureza ao longo da costa oeste dos Estados Unidos, preferindo áreas costeiras e pastagens arenosas para viver. Esta espécie é bem abundante por lá durante os últimos meses do ano, começando em setembro e estendendo-se até janeiro por conta da umidade.

Sua aparência explica o apelido carinhoso: seus chapéus, que parecem pires achatados quando maduros, lembram discos voadores a psicodelia já começa aí. A sua coloração é castanho-caramelo, possivelmente mais escuro enquanto úmido depois de uma chuva forte. Quando machucado, ele fica azul bastante rapidamente. Suas brânquias são marrom-escuras, e contrastam com seu caule branco.

 

Como identificar o Psilocybe semilanceata

Psilocybe semilanceata. Imagem: BioDiversity4All.

Também conhecido como “liberty caps”, esse cogumelo cresce naturalmente nos Estados Unidos e no Canadá, bem como em algumas partes da Europa. O ambiente favorito do Psilocybe semilanceata são prados e pastagens, embora ele não cresça no esterco como seu primo cubensis. Em vez disso, fungos dessa espécie tendem a aparecer no meio da grama, principalmente após chuvas ou dias mais úmidos.

Na aparência, podemos destacar seu chapéu castanho claro com alguns sulcos, que correspondem às brânquias. O seu caule é branco, geralmente bem longo e curvilíneo. Quando machucado, o Psilocybe semilanceata também exibirá rapidamente uma coloração azul.

 

Como identificar o Psilocybe mexicana

cogumelos mágicos
Psilocybe mexicana. Imagem: DoubleBlind Mag.

A espécie Psilocybe mexicana tem uma longa história incrível: ela era (e ainda é) usada em rituais religiosos e práticas de cura de povos nativos da América Central. Por eles, é chamada de “carne de Deus”. Sua importância para o desenvolvimento cultural e espiritual da região é imensurável!

A olhos menos atentos, essa espécie pode se confundir com o Psilocybe semilanceata. Na prática isso é bem improvável, já que crescem naturalmente em partes do mundo bem distintas.

Em sua aparência, o Psilocybe mexicana tem um chapéu cônico ou em forma de sino, marrom, e geralmente sulcado por conta das brânquias subjacentes. Suas hastes geralmente não são tão curvas e assumem uma coloração amarela pálida, em vez de puramente branca. Como a maioria dos cogumelos psilocibina, quando machucados, assumem uma coloração azul profunda nas áreas afetadas.

Esses cogumelos mágicos crescem em altitudes abaixo de mil pés, geralmente em meio a musgo ou grama, e adoram prados úmidos e trilhas na floresta. Embora geralmente vista em grupos, a Psilocybe mexicana pode ser solitária. É encontrada entre maio e outubro, meses mais quentes em seu habitat natural.

 

Como identificar o Psilocybe cyanescens

Psilocybe cyanescens. Imagem: Shroomers.

Também chamado de “Wavy Caps” (ou chapéu ondulado, em bom português), o Psilocybe cyanescens é uma espécie de cogumelo que cresce nos Estados Unidos e Canadá, Europa Ocidental e Central, Nova Zelândia e até Irã no Oriente Médio. É frequentemente encontrado crescendo em áreas urbanas, e prospera em lascas de madeira.

No quesito aparência: o nome chapéu ondulado vem, como você pode suspeitar, do jeitinho bem diferentão do cyanescens. Quanto mais maduro, mais provável que seu chapéu assuma uma aparência ondulada e cheia de curvas. As brânquias desta espécie são grossas e podem causar o aparecimento de sulcos no chapéu. Seu chapéu e as brânquias têm coloração caramelo, enquanto o caule é esbranquiçado. Quando machucado, uma coloração azul profunda aparecerá, como acontece com os cogumelos que já mostramos.

 

Como identificar o Psilocybe baeocystis 

Psilocybe baeocystis. Imagem: DoubleBlind Mag.

Às vezes chamado de “tampas de garrafa” ou “sinos azuis”, o Psilocybe baeocystis cresce naturalmente no noroeste dos Estados Unidos. Isso ocorre graças às chuvas frequentes e à alta umidade da região. A espécie adora cobertura morta e lascas de madeira, e pode ser encontrada em áreas paisagísticas, embora não tenha se proliferado globalmente como o cyanescens. Também cresce na natureza, muitas vezes abaixo de abetos.

No quesito aparência, o Psilocybe baeocystis tem uma coloração única, geralmente entre o verde escuro e o verde oliva. Às vezes, tem tons azuis mesmo sem hematomas e, quando está machucado, essa coloração se torna ainda mais profunda. Tem um chapéu cônico e uma haste branca.

 

Dicas para evitar cogumelos venenosos

Para evitar a colheita de cogumelos que podem ser venenosos, observe:

Não colha cogumelos com lamelas (ou guelras) brancas, véu ou anel no caule, ou uma base em forma de saco, conhecida como volva, na parte inferior do caule. Embora alguns cogumelos comestíveis tenham essas características, existem versões bem tóxicas, como os cogumelos da família Amanita. Seus usos podem resultar em morte.

Evite cogumelos que tenham chapéus ou tampas vermelhas. Novamente, existem versões comestíveis de cogumelos com essas características, mas também existem outras muito venenosas.

Nunca coma um cogumelo que você não tenha 100% de certeza de que é seguro comer. Como já mencionamos, se você tiver dúvidas sobre sua segurança depois de verificar o cogumelo, não o coma.

 

Segundo registros, existem 227 tipos de cogumelos conhecidos que contêm psilocibina. Por isso, nossa maior dica é: se você se interessa por esses fungos incríveis e suas propriedades, estude a micologia. Grandes especialistas, como Paul Stamets, têm muito a ensinar e podem ajudar você a evitar problemas durante suas aventuras psicodélicas com cogumelos mágicos.

E aí, gostou de saber disso? Não esquece de nos seguir no Instagram @girlsingreen710 para mais informações sobre psicodélicos, Redução de Danos e muito mais.

Até a próxima!

Editado em: 21 de setembro de 2023.

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Daniel Covre
Daniel Covre
1 ano atrás

Boa redação, Obrigado por compartilhar conhecimento

Thiago França
Thiago França
1 ano atrás

Curti de mais! Tenho lido sobre terapias psicodélicas. Trouxe essa curiosidade em conversas em seções de análise. Na época estávamos falando sobre mdma, mas foram surgindo outras possibilidades e tenho considerado bastante os Cogumelos e os cactos são Pedro. Gostaria de mais informações…

Jana
Jana
1 ano atrás
Reply to  Thiago França

Peiote, São Pedro
Marijuana , Santa
Daimistas usam essa nomenclatura
pode ser usado em xamanismo misturas a Ayhuasca em rituais. Deixa a experiência similar a ingerir jurema

Diogo
Diogo
1 ano atrás

Olá, onde eu moro é uma zona muito húmida e acabei por encontrar um terreno com alguns Amanita Muscaria, e fiquei a saber que podem ser consumidos mas também podem ser letais e disseram me que posso fazer uma preparação correta do cogumelo pra poder consumilo 🍄 e agora gostaria de saber que tipo de preparação tenho que fazer pra poder consumir com segurança e ter uma trip agradável! Obrigado!

Denilson Brandão
Denilson Brandão
1 ano atrás

Ótimo informção, obrigado!

Nilson
Nilson
1 ano atrás

Parabésn pela qualidade das informações. Detalhadas e precisas. Excelentes fotos, imagens, para identificação.