Outras Drogas

PSILOCYBE CUBENSIS: 5 VARIEDADES PARA CONHECER

Um cubensis é um cubensis? Seja para usar, cultivar ou por curiosidade: conheça nossas cepas favoritas de Psilocybe cubensis e suas características distintas.

Todo dia, a gente fica ainda mais fascinada com o mundo dos fungos e cogumelos mágicos (incluindo os famosos Psilocybe cubensis). Essas pequenas criaturas, tão especiais que possuem um reino só para elas, estão alcançando um novo patamar na sociedade. Isso porque, de acordo com estudos, elas podem ser a chave para lidar com diversos problemas e distúrbios relacionados à mente humana. Nada que María Sabina não tenha nos ensinado, né?

Segundo pesquisas, existem mais de 300 tipos já identificados de cogumelos mágicos, e grande parte deles é da espécie Psilocybe. Dentre eles, alguns dos mais conhecidos aqui no Brasil e no mundo são os cubensis. Inclusive aqueles que crescem nos pastos do interior, responsáveis por grande parte das histórias psicodélicas que já ouvimos de amigos e parentes! Mas você sabia que, assim como a maconha, ele conta com diversas variedades, cada uma com características e origens diferentes?

Aqui no blog, a gente já contou mais sobre algumas espécies do gênero Psilocybe, e até como cultivá-los. Hoje, viemos com nossa lista de variedades favoritas de Psilocybe cubensis. Vem com a gente conhecer esses poderosíssimos mini queridos!

 

Pink Buffalo

psilocybe cubensis
Thai Pink Buffalo. Imagem: Hidden Forest.

O cogumelo Pink Buffalo é uma variedade de Psilocybe cubensis proveniente da Ásia. Sua origem é associada a relatos do micologista americano John Allen, que afirmou ter encontrado esses cogumelos crescendo em uma pilha de esterco de búfalo na ilha tailandesa de Koh Samui. A descoberta teria ocorrido após Allen ser chamado para um arrozal por um búfalo rosa, considerado “sagrado”.

Independentemente da história maluca, que infelizmente nunca poderemos confirmar exatamente, os habitantes da ilha tailandesa têm conhecimento há muito tempo das propriedades psicoativas desses cogumelos.

O Pink Buffalo compartilha semelhanças com outras variedades de Psilocybe cubensis do Sudeste Asiático. Seus caules são finos, brancos ou cremosos, e ficam intensamente azuis quando machucados. Os chapéus são de tamanho médio a grande, com uma variedade de cores que vão de marrom canela claro a marrom dourado escuro, ocasionalmente com um toque de roxo. 

Quanto aos efeitos, dosagem e potência, é difícil de saber por conta da proibição dos cogumelos mágicos. Entretanto, cientistas apontam que essa variedade pode conter cerca de seis miligramas de psilocibina por grama seca. 

 

Penis Envy

Penis Envy. Imagem: Olympus Myco.

Se você nunca ouviu a história do Penis Envy, pode ter certeza de que ela só pode ter sido gerada depois de uma viagem com o cogumelo. Reza a lenda que o ícone da psicodelia Terrence Mckenna encontrou esporos na Amazônia, que foram posteriormente usados por Steven Pollock para desenvolver a variedade. O médico e psiconauta teria sido encontrado morto com um dos cogumelos em suas mãos. 

Mas, aparentemente, quase tudo isso é balela. Rich Gee, um micologista de Washington, afirma que os esporos originais vieram realmente da coleção de Terrence McKenna. Foi Gee quem desenvolveu a variedade em seu laboratório, observando mutações até obter um cogumelo com características desejadas. Seu nome surgiu a partir de um grupo de strippers, que comparam os cogumelos a um “pipi de cachorro”. É mole?

Em termos de anatomia, seus caules são bem mais “bulbosos”. Seus chapéus têm a particularidade de mal se abrir, permanecendo próximos ao caule.

Além disso, esses cogumelos produzem poucos ou nenhum esporo, uma característica incomum em cogumelos selvagens. Afinal, como eles poderiam sobreviver na natureza sem podem se reproduzir? Impossível.

Quanto à potência, dados coletados pela Oakland Hyphae sugerem que o Penis Envy, em média, pode ser de 50 a 100 por cento mais potente do que outras variedades de Psilocybe cubensis. No entanto, essa potência pode variar consideravelmente, sendo influenciada por fatores como condições de crescimento e métodos de armazenamento pós-colheita.

 

Golden Teacher

Golden Teacher. Imagem: teonanacatl.org.

O Golden Teacher não tem uma história tão maluca ou conhecida quanto as últimas duas variedades. A informação mais “aprofundada” que encontramos é que sua origem é cubana, e que ele também foi encontrado crescendo livremente na Flórida. Mas tudo isso é difícil de confirmar!

O que a gente sabe com toda certeza é que essa variedade é uma das favoritas de quem está começando a se aventurar, seja no cultivo ou no uso dos cogumelos mágicos. Isso porque ela é relativamente fácil de cuidar, e seus esporos também são mais rápidos quando o assunto é colonização. 

Além disso, parece ser mais suave do que algumas outras cepas criadas em laboratório através de processos de cruza. Ou seja: seu teor de psilocibina é mais baixinho.

Comparados aos outros cogumelos que mencionamos acima, o Golden Teacher se parece muito mais com os cogumelos Psilocybe cubensis que você pode encontrar crescendo na natureza. É bem conhecido por seus chapéus dourados, responsáveis pelo seu nome! Ele também solta uma boa camada de esporos roxo-negros quando estão maduros, tornando-o uma boa escolha para aqueles que desejam fazer seus próprios prints e fazer um cultivo mais sustentável.

 

B+

psilocybe cubensis
Cogumelos B+. Imagem: Dutch Headshop.

A história do B+ é envolta em alguma incerteza e debate (surpresa!). Alguns cultivadores sugerem que é resultado do cruzamento do Psilocybe cubensis com outra cepa, enquanto outros contestam essa teoria. Há relatos de que a confusão sobre a linhagem do B+ começou com um cultivador misterioso chamado Mr. G, que alguns acreditam ter desenvolvido esse bonito.

Mas algumas coisas são inegáveis. Os cogumelos B+ são conhecidos por seu tamanho impressionante, podendo atingir até 30 centímetros de altura. Os corpos frutíferos têm em média de seis a oito polegadas, com chapéus estendidos que alcançam até três polegadas de diâmetro. A cor dos chapéus varia de marrom claro a escuro, com a presença de um ponto clássico no centro. O caule é longo, espesso e de cor marfim ou marrom claro. 

Uma característica única é a capacidade da cepa de frutificar em condições e substratos desafiadores para outras cepas de Psilocybe cubensis!

O B+ é conhecido por proporcionar uma experiência psicodélica robusta, com um punch significativo de psilocibina. Uma análise mostrou que a cepa B+ continha aproximadamente 7,9 miligramas de psilocibina por grama, situando sua potência em uma faixa intermediária ou ligeiramente acima da média. Em comparação com outras cepas, como a Golden Teacher, o B+ é considerado mais propenso a oferecer uma experiência recreativa sólida, mas também pode ter propriedades terapêuticas e ser adequado para microdosagem.

 

Albino A+ (AA+)

psilocybe cubensis
Albino A+, ou AA+. Imagem: Southern Spores.

O Albino A+ é uma variedade de Psilocybe cubensis que se destaca por uma mutação genética que dá uma aparência branca ou creme aos cogumelos. Mas, ao contrário do nome, não é um cogumelo Albino real! Sua origem é cercada por incertezas, e há relatos de que alguns cultivadores tentaram corrigir o nome para A+ Leucístico — embora o nome não tenha pego por aí.

Os cogumelos dessa variedade geralmente apresentam uma coloração branca ou creme. Eles ainda podem adquirir tons azulados, especialmente se cultivados no escuro. A mutação leucística confere a eles uma aparência “fantasmagórica”, com chapéus e caules que variam de branco a creme e amarelo com o envelhecimento. Essa cepa é conhecida por sua consistência morfológica ao ser cultivada, formando tapetes de cogumelos notavelmente idênticos. 

Embora não sejam exatamente gostosos de comer, os cogumelos Albino A+ são extremamente nutritivos! Eles contam com beta-glucanas, antioxidantes, potássio e vitaminas do complexo B.

As opiniões sobre a potência do Albino A+ variam, com algumas avaliações indicando potência baixa, média ou alta. Uma análise de laboratório da competição Spring 2021 Hyphae Cup da Oakland Hyphae revelou um teor total de triptaminas de 0,83%, situando o Albino A+ na faixa de alta média para Psilocybe cubensis. No entanto, a potência real pode variar devido a fatores naturais de cultivo e à diversidade genética das fontes!

 

E aí, gostou de conhecer esses queridos? Não esqueçam de nos seguir lá no Instagram @girlsingreen710 para mais informações sobre o mundo da maconha, dos psicodélicos, e muito mais.

Até a próxima!

 

FAQ

O que é o Psilocybe cubensis?

O Psilocybe cubensis é uma espécie de cogumelos mágicos. Ela conta com diferentes variedades, como os Penis Envy, B+, Golden Teacher, Pink Buffalo e AA+. Eles agem nos receptores serotoninérgicos do cérebro, e estão sendo pesquisados como possível tratamento para diferentes condições da saúde mental.

Qual a brisa do cogumelo?

O cogumelo mágico pode provocar as chamadas “viagens” psicodélicas por conta da psilocibina, seu principal princípio-ativo. Ele pode causar: 

  • sentimentos de alegria, felicidade e euforia;
  • tranquilidade e um “despertar espiritual”;
  • mudança rápida de emoções;
  • desrealização, ou a sensação de que seu meio envolvente não é real;
  • despersonalização, ou uma sensação de sonho;
  • pensamento distorcido, com alteração visual e distorção, halos de luz e cores vivas;
  • pupilas dilatadas (midríase);
  • tontura, sonolência, bocejos e dificuldade de concentração;
  • relaxamento muscular e falta de coordenação;
  • náusea e alguns poucos casos de vômitos com contexto de limpeza.

Qual é a droga mais segura do mundo?

Segundo o Global Drug Survey, levantamento de saúde pública feito com 120 mil usuários de drogas em 50 países, a psilocibina é a substância psicoativa mais segura do mundo. 10% dos entrevistados, 12 mil pessoas ao todo, afirmaram ter usado os fungos psicodélicos em 2016. Só 24 delas – 0,2% – precisaram de assistência médica emergencial após a experiência.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments