GIRLS IN GREEN

Lidar com indicadores naturais no seu cultivo pode ser uma dor de cabeça, mas existem formas orgânicas, simples e baratas de se livrar deles sem recorrer a produtos químicos pesados e tóxicos. Vem aprender aqui!

Pesticidas podem ser caros – não apenas para o bolso do cultivador, mas também para o nosso planeta. Com os métodos modernos de agricultura focados na industrialização, empobrecemos e poluímos nosso solo, e nós acreditamos que cultivar a cannabis pode também ser uma oportunidade de resgatar cuidados mais holísticos não apenas com ele, mas com toda a natureza que nos cerca.

Aqui no site, nós falamos muito sobre a agricultura regenerativa e biodinâmica, pois achamos que podemos ir muito além do orgânico! Um dos meios de fazer isso é através dos ensinamentos da Agricultura Natural Coreana, ou Korean Natural Farming (KNF), que usa de elementos simples para oferecer soluções integradas a quem cultiva todo o tipo de vegetal. Com elementos naturais, você pode sim fazer o seu próprio fertilizante orgânico com pouquíssimos ingredientes – e também pesticidas naturais que não danificam seus cultivos ou o meio ambiente!

Hoje, nosso foco vai ser mostrar alternativas fáceis, baratinhas e eco-friendly de dizer adeus aos indicadores biológicos que estão aparecendo no seu espaço de cultivo, seja ele indoor ou outdoor. A vantagem deles é que, além de não financiar grandes empresas do agro (que de pop não tem nada), você consegue atingir o seu objetivo sem prejudicar a natureza ou quem irá consumir as suas plantinhas.

Vamos aprender mais sobre isso?

foto de flor de cannabis com lagarta
lagarta na flor de cannabis

Por que fazer seu próprio pesticida?

Embora a gente já tenha algumas soluções contra indicadores biológicos mais comuns, como pulgões, ácaros e mites, eles podem não ser nem as opções mais baratas (quando você opta por procurar pesticidas orgânicos) e nem as melhores para as plantas (principalmente quando falamos de pesticidas químicos, que, para a gente, são um grande ponto de alerta e uma opção bem indesejada).

E sim, nós sabemos: quando os bioindicadores aparecem, a frustração pode tomar conta e a vontade de tomar a decisão mais fácil pode parecer bem mais tentadora. Mas, à longo prazo, quando pensamos nelas, também podemos entender que essas soluções podem:

  • Acarretar a perda de qualidade da sua cannabis;

  • Tornar os bioindicadores ainda mais resistentes com o uso de agrotóxicos químicos e pesados;

  • Gastar muito dinheiro sem necessariamente resolver o problema;

  • Poluir o solo e contaminar o meio ambiente;

  • Acabar com um produto contaminado com substâncias indesejadas e ruins para o organismo de quem irá consumir.

Por isso, acreditamos que os pesticidas naturais podem ser um tipo de “Redução de Danos” para o seu cultivo. Eles vão manter suas plantinhas felizes, seu bolso feliz, e o planeta terra também! Quer melhor que isso?

Diferenças entre os pesticidas naturais JADAM e químicos

Como já mencionamos no nosso post sobre fertilizantes naturais, o JADAM é um grupo de agricultores orgânicos que deseja retomar a soberania em suas técnicas. Seus principais objetivos, além disso, são espalhar um método de cultivo de custo ultrabaixo; e, finalmente, abrir um novo mundo onde agricultores, consumidores e mãe natureza estão em harmonia.

A partir dessas metas, eles desenvolveram várias receitas naturais de pesticidas com ingredientes como enxofre, hidróxido de sódio e hidróxido de potássio.

“Mas esses elementos também são químicos, não?”

A resposta é: sim. Absolutamente tudo na natureza é feito através de ligações químicas, o que significa que, mesmo em soluções mais naturais, nós vamos tê-las. A principal diferença é que esses tipos de químicos, diferentes dos presentes em agrotóxicos e pesticidas sintéticos, são comprovadamente seguros para os humanos e para a natureza. O maior segredo é pesquisar bem os ingredientes e comparar às outras opções!

A água ideal para fazer pesticidas

Para falar sobre os pesticidas naturais, precisamos falar da nossa base para tudo: a água. De acordo com os ensinamentos da NKF, para fazê-los, o ideal é observarmos a dureza da água.

  • Naturalmente, a água que sai de nossas torneiras ou mesmo que encontramos em fontes naturais possui um alto teor mineral, e ela é chamada de água dura.

  • A água macia é a água tratada, em que o único íon é o sódio. Conforme a água da chuva cai, ela é naturalmente macia. No entanto, conforme a água atravessa o solo e entra em nossos cursos de água, ela pega minerais como giz, cal e principalmente cálcio e magnésio, e se torna água dura.

A água macia possui um potencial de hidratação muito maior – ou seja, ela penetra de forma mais eficaz em superfícies e em vegetais. Se você não tem água macia, você pode usar água da chuva coletada 30 minutos após o início da precipitação – assim, ela terá níveis mais baixos de poluição. Você também pode comprar um filtro que faça água macia, ou fazer você mesmo em casa através desse tutorial: How to Make Water Softener. JADAM Organic Farming. – YouTube.

Com isso, podemos ir aos outros tutoriais! Eles são bem simples e os ingredientes também são de fácil acesso. Vamos lá?

Agente Umectante JADAM (JWA)

O Agente Umectante JADAM é o ingrediente mais importante para qualquer pesticida natural: seu papel é fundamental no revestimento, umedecimento e entrega do ingrediente ativo ao seu alvo.

Passo um: prepare um container de 110 litros que seja resistente ao calor. Se certifique de que ele esteja bem limpo. Coloque nele 2.5 litros de água macia, 3.2 quilos de hidróxido de potássio e feche com a tampa. Role esse container fechado para misturar.

Passo dois: adicione 18 litros de óleo de canola e misture com uma furadeira elétrica equipada com misturador de tinta ou concreto até que fique com a consistência de uma maionese fina.

Passo três: feche com a tampa novamente e deixe assim por três dias. A mistura ficará com uma consistência parecida com a da manteiga. Se isso não acontecer, misture novamente com a sua furadeira.

Passo quatro: adicione mais 20 litros de água macia e use a furadeira para misturar.

Passo cinco: adicione mais 60 litros de água. Misture manualmente com um misturador grande. O conteúdo vai derreter devagar por 24 horas e depois estará pronto.

Diluição: use de 3 a 15 litros da mistura para cada 500 litros de água.

Enxofre JADAM (JS)

Passo um: prepare um container de 110 litros resistente ao calor. Coloque 25 quilos de enxofre, 0.5 quilos de filito, 0.5 quilos de argila vermelha e 1.5 quilos de sal marinho. A argila vermelha e o sal são opcionais, mas seu enxofre deve ser 99.9%. Use luvas e equipamentos de proteção!

Passo dois: adicione 20 quilos de hidróxido de sódio e 50 litros de água. Mas tenha cuidado: se você tiver pouca água ou a temperatura ambiente estiver muito alta, a mistura pode superaquecer. Se o dia estiver mais quente que 26°C, coloque 54 litros de água ao invés de 50.

Passo três: use um cabo de madeira longo e misture de maneira gentil para que os ingredientes se diluam na água. Não use metal ou alumínio.

Passo quatro: quando a temperatura passar de 80°C, o enxofre vai começar a derreter. Se esse derretimento fizer a mistura transbordar, adicione mais um ou dois litros de água.

Passo cinco: se certifique com o cabo de que não há mais enxofre no fundo do container. Adicione mais 28 litros de água e misture. Deixe a mistura descansar por 24 horas. Depois disso, separe o líquido da camada superior em um recipiente de plástico bem espesso.

Diluição: para 500 litros de água, use de 0.5 a 2 litros dessa mistura.

Solução Hebal JADAM (JHS)

Para fazer a Solução Herbal JADAM, você pode usar alcachofras de Jerusalém ou ginkgo –  o que for mais fácil de encontrar!

Passo um: corte as alcachofras em pedaços pequenos e coloque em um saco com furinhos com uma pedra para afundar. Para cada quilo de planta fresca usada, adicione cinco litros de água. Para cada quilo de planta seca usada, adicione 20 litros de água para panela de pressão ou 25 para panelas normais. A água deve ser macia.

Passo dois: ferva por quatro horas na panela de pressão ou cinco horas em uma panela normal. Use temperaturas mais altas até a fervura, depois abaixe para temperaturas médias e deixe ferver. Ao retirar do fogo, deixe que o saco escorra bem.

Passo três: para guardar, coloque a solução em garrafas resistentes ao calor enquanto ela ainda estiver quente.

Passo quatro: mantenha o JHS em um local escuro e longe de altas temperaturas.

Passo cinco: quando for usá-lo, filtre caso esteja com sedimentos.

Diluição: misture de 5 a 30 litros com água para fazer 500 litros.

  • Encha um container com 500l de água. Dissolva 1/2 kg de sal marinho na água. Adicione um quilo de batatas cozidas, 1/2 kg de solo com folhas com fungo e algumas rochas em um saco de linho. Pendure esse saco no container de modo que seu conteúdo fique embaixo d’água. Amasse bem para que esse conteúdo também dissolva na água.

  • Para cultura de micróbios customizados, misture 1 kg de frutas, galhos e folhas em um saco de linho e pendure dentro do container.

  • Feche com uma tampa e mantenha no sol para que os microrganismos se multipliquem. Deixe no mesmo ambiente que o seu cultivo, para que o container esteja na mesma temperatura que as plantas. Se a temperatura da água cair, use um aquecedor para mantê-la em 20°C.

  • Quando a espuma estiver vigorosa e os cantos estiverem limpos, é hora de usá-la! Dilua em proporção 1-10 de água e aplique tudo.

  • Perfeito para um crescimento balanceado e para equilibrar a presença de microorganismos nas suas plantas.

Dicas na hora de usar os pesticidas naturais

  • Antes de usar os pesticidas, faça testes de mistura, concentração e marcação.

  • Use água macia.

  • É mais efetivo usar os pesticidas naturais cedo pela manhã.

  • Vinagre, água salgada, açúcar e fertilizantes com esses ingredientes podem atrapalhar o funcionamento dos pesticidas naturais.

  • Adicionar um pouco de NaOH, diluído em um pouco de água, aos pesticidas pode melhorar seus efeitos. Solo fino também ajuda a aumentar sua potência.

Dicas de uso para bioindicadores específicos

Pulgões (aphids)

Um dos bioindicadores de cannabis mais difíceis de eliminar são os pulgões – minúsculos insetos que se alimentam de raízes de plantas. Com cerca de um milímetro de comprimento e variando de cor entre amarelo, verde a laranja acastanhado, os pulgões de raízes podem ser frequentemente confundidos com mosquitos de fungo, pois alguns pulgões adultos desenvolvem asas.

Para prevenção, use: 3 litros de JWA e 3 litros de JHS, ambos diluídos.

Para infestação, use: 5 litros de JWA e 5 litros de JHS, ambos diluídos.

Para emergências, use: 8 litros de JWA e 12 litros de JHS, ambos diluídos.

Ácaros-aranha (spider mites)

Os ácaros-aranha são muito comuns e são os bioindicadores mais graves no jardim de cannabis. Dificilmente são visíveis a olho nu, visto que têm apenas 1,5 mm de comprimento. Eles são aracnídeos (parentes das aranhas) e, como outros aracnídeos, têm quatro pares de pernas e nenhuma antena. Suas cores variam do vermelho, marrom e preto ao amarelo e verde dependendo da espécie e da época do ano. Eles são tão pequenos que a maioria desses detalhes são visíveis apenas com uma lente de aumento. Além disso, eles produzem uma teia fina de seda.

Para prevenção, use: 5 litros de JWA e 5 litros de JHS, ambos diluídos.

Para infestação, use: 8 litros de JWA e 10 litros de JHS, ambos diluídos.

Para emergências, use: 10 litros de JWA e 15 litros de JHS, ambos diluídos. Use solo fino para melhorar a absorção.

Oídio, powdery mildew ou PM

O oídio parece um pozinho branco, que pode cobrir folhas e brotos da cannabis. Muita gente confunde eles com pequenos tricomas surgindo. Mas não se deixe enganar: basta olhar com uma lupa para perceber que esse danadinho aí não tem nada a ver com tricoma (dica: ele não brilha como um tricoma, é um pozinho opaco).

Quando ele aparece, pode ser muito fácil de se espalhar através de esporos. Então, assim que perceber sua presença, livre-se de tudo que estiver afetado. Você não vai querer ingerí-lo ou deixá-lo contaminar outras plantinhas saudáveis.

Para prevenção, use: 3 litros de JWA e 0.5 litro de JS, ambos diluídos.

Para infestação, use: 5 litros de JWA e 1 litro de JS, ambos diluídos.

Para emergências, use: 8 litros de JWA e 1.2 litros de JS, ambos diluídos.

Regime de uso para indicadores diversos

Para prevenção, use: 5 litros de JWA, 0.6 litros de JS e 10 litros de JHS, diluídos.

Para infestação, use: 8 litros de JWA, 1 litro de JS e 20 litros de JHS, diluídos.

Para emergências, use: 12 litros de JWA, 1.5 litros de JS e 30 litros de JHS, diluídos. Use solo fino para melhorar a absorção.

Acreditamos que esses regimes, elaborados com toda a dedicação por fazendeiros incríveis e empenhados em encontrar soluções orgânicas e naturais, são algumas das melhores formas de lidar com os bioindicadores. Eles podem causar muita dor de cabeça – mas fazem parte da natureza e de seu equilíbrio. Usar químicos pesados e agrotóxicos pode parecer uma boa ideia no momento, mas podemos observar o que eles estão fazendo com o nosso planeta a longo prazo.

Então, bora mudar essa mentalidade? Começando pelo próprio cultivo! Se ficou com alguma dúvida, deixa aqui nos comentários. Não esquece que você também pode falar com a gente no nosso Instagram @girlsingreen710!

Até a próxima!

guest
2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
José Neto
José Neto
7 meses atrás

Muito boas-festas dicas. Teriam alguma fonte de literatura dessas técnicas Coreanas?isso para conhecer aplicação em canteiros de sementes, de árvores nativas e frutíferas