Cultura

Maconha na Jamaica: Afinal, é legal ou não é?

Um dos países mais emblemáticos na cultura maconhista, a Jamaica recebe muitos turistas que estão em busca de experiências legais com a planta. Mas será que é 100% legalize?
 

Terra de Bob Marley, da religião Rastafári e de muita maconha… será mesmo? A Jamaica é um verdadeiro paraíso natural, com praias paradisíacas de mar azul e areia branquinha. Entretanto, a maioria dos turistas quer mesmo é o verde – e o país já se tornou uma das principais rotas globais quando o assunto é turismo canábico. Mas muitas dúvidas pairam pelo ar quando o assunto é a legalidade da planta por lá.

Embora seja berço de genéticas incríveis e um dos principais ícones da cultura maconhista, a Jamaica percorreu (e ainda percorre) um longo caminho em busca da legalidade. Toda essa luta, que começou nos anos 1960, só foi encontrar um certo “final feliz” em 2015. E, mesmo assim, o cenário está longe de ser perfeito.

Se você quer entender um pouco mais sobre a história desse país com a cannabis e o status legal da planta por lá, está no lugar certo! Aqui, vamos contar um pouco mais sobre a relação fascinante da Jamaica com a maconha, além de tudo que você precisa saber em termos legais caso deseje visitá-la.

Vem com a gente!

 

Nossa resposta é um sonoro: não exatamente!

Apesar da reputação da Jamaica como paraíso da maconha, o país só flexibilizou suas leis em relação à plantinha no ano de 2015. Atualmente, a posse de pequenas quantidades de maconha para uso pessoal foi descriminalizada. Mas, se você for pego com menos de 56,6 gramas e sem receita médica, ou fazendo uso da planta em público, será multado em 500 dólares jamaicanos (cerca de US $5). 

Os jamaicanos também podem ter até cinco plantas em suas casas para uso pessoal.

Enquanto isso, a maconha 100% legalizada na Jamaica é destinada a fins médicos, terapêuticos ou religiosos. Isso inclui a compra de maconha quando a planta foi prescrita em outro país! Ou seja: se você tiver uma receita daqui do Brasil, já vai poder comprar flores, extrações e outros produtos de forma legal no país. Se for pego portando, também não vai ser passível de multa.

Se você não tem uma receita, também não é difícil de conseguir no próprio território. Os médicos jamaicanos emitem cartões de maconha medicinal para uma gama muito mais ampla de condições do que os médicos de outros locais, inclusive. Ansiedade, insônia e dor crônica são legalmente tratados ​​com cannabis sob a lei jamaicana. 

Portanto, a resposta para a pergunta “a maconha é legal na Jamaica?” é: se tiver receita médica, sim. Totalmente. Se não tiver, não é crime utilizar. Mas você pode ter que arcar com alguma sanção administrativa (no caso, uma multinha humilde).

 

Uso religioso da maconha na Jamaica

maconha na jamaica
O uso religioso da maconha é comum no país. Imagem: Red Bull Music Academy.

As relações da Jamaica com a maconha tiveram início há cerca de duzentos anos, quando, no final do século XVII, trabalhadores das Índias Ocidentais levaram a planta para lá. Em pouco tempo, ela se tornou um insumo básico para a população local. O clima tropical foi perfeito para a adaptação da cannabis, que passou a ser utilizada em chás para tratar condições como asma e dores crônicas. Ela também era utilizada em tinturas feitas com rum, ou em outras preparações orais e tópicas. Lá, passou a ser chamada de ganja.

Mas a relação mais famosa da Jamaica com a cannabis é através do Rastafarianismo. A religião foi fundada por Leonard P. Howell na década de 1930, e rapidamente se espalhou pelo local. Howell tornou o fumo uma prática sagrada, acreditando que a planta concede sabedoria divina e cura àqueles que a fumam. 

Descrita como “a erva da sabedoria” ou “a erva sagrada” dentro da religião, a maconha é fundamental para o Rastafarianismo. A religião foi inclusive uma das maiores impulsionadoras para a regulamentação da planta, que hoje já é legalizada para uso religioso – o que dá mais liberdade aos praticantes.

 

E a maconha medicinal na Jamaica?

Como a gente já mencionou, a lei jamaicana é altamente permissiva para quem procura maconha medicinal ou terapêutica. Cada paciente pode comprar até duas onças em dispensários licenciados, desde que tenha uma receita válida. Cepas destinadas a fumar, tópicos, tinturas, bem como todos os tipos de produtos de canabidiol (CBD) estão disponíveis. 

No entanto, fumar em público não é legal. Residências particulares e smoke lounges em dispensários são os únicos lugares onde é permitido acender seu baseado na Jamaica.

Para comprar maconha medicinal por lá, você deve:

  • Ter uma receita válida de um médico estrangeiro; ou
  • Visitar um médico jamaicano aprovado pelo Ministério da Saúde para prescrever maconha; ou
  • Falar com profissionais médicos que atendem em alguns dispensários.

Você pode até preencher um formulário médico para conseguir uma receita em alguns dispensários. Alguns dos locais mais proeminentes incluem o Epican Jamaica, em Kingston, e o Island Strains Herb House, em Montego Bay.

Meninas, como saber se minha condição me qualifica para comprar por lá? Qualquer condição que cause dor, náusea e espasmos musculares com certeza vai dar acesso para uma receita de maconha medicinal na Jamaica. Isso inclui insônia, enxaqueca, câncer, TDAH, TEPT, ansiedade, HIV/AIDS, esclerose múltipla, traumatismo cranioencefálico, convulsões e muitas outras condições, tanto físicas quanto mentais.

 

Os problemas da legalização medicinal na Jamaica

O que rola com a legalização medicinal na Jamaica? Imagem: MJBiz.

Desde 2015 até agora, muita coisa já mudou no cenário canábico da Jamaica – algumas para melhor, e outras nem tanto assim. O diretor da primeira empresa de maconha legal de lá, Balram Vaswani, contou para o Leafly que o trabalho começou em 2013, e apenas cinco anos depois, em 2018, a companhia Kaya Herb House foi aberta. 

Mas, além da quantidade de burocracia, Vaswani abriu os olhos da galera para vários outros problemas que estavam aparecendo por lá. Um dos maiores, para ele, foi a dificuldade de preservar as genéticas nativas da região.

Nas últimas décadas, por conta da repressão da guerra às drogas e de influências externas, muitas das cepas clássicas do país ficaram em segundo plano. Nos anos 1980, havia uma predominância de sativas na Jamaica. No entanto, conforme a Califórnia passou a moldar a indústria e, por consequência, o que os consumidores procuravam, aconteceu a inserção de indicas clássicas, como a OG Kush. 

A partir daí, os criadores locais misturaram a genética – e nem sempre intencionalmente. A polinização cruzada acabou misturando tudo e deixando toda maconha mais genérica, sem suas características únicas.

Alguns produtores locais, como o dono da Kaya Herb House, estão tentando consertar isso através de sementes crioulas. Eles desejam resgatar a ancestralidade da planta, e não se tornar apenas mais um local de disseminação de genéticas estadunidenses. E a gente acha isso lindo demais!

 

Se você quiser f1 na Jamaica, lembre-se:

  • Não faça isso em público!
  • Leve sua receita médica ou procure um profissional local.
  • Os preços ficam entre US $10 a grama e US $80 a onça, segundo um levantamento de 2021 da Cannigma. Entretanto, eles podem ter sofrido algumas alterações desde então. Leve um dindim e aproveite.

 

E aí, gostou de saber tudo isso? Pensando em se aventurar por lá? Você não vai se arrepender: a Jamaica é realmente tão linda e fascinante como dizem por aí. E, se você quiser saber mais sobre ela e ver alguns conteúdos gravados por lá, não esquece de nos seguir lá no Instagram @girlsingreen710.

Até a próxima!

 

Editado em: 14 de dezembro de 2023.

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Lucas
Lucas
8 meses atrás

QQ é onça família?