GIRLS IN GREEN

Maconha e comida? Parece a combinação perfeita! Venha entender as reações do nosso corpo que resultam na famosa larica.

Larica pra lá, larica pra cá: termo tão conhecido que chega até mesmo a ser usado por quem nem faz o uso da cannabis. O significado dessa gíria é bem simples: fala sobre a fome que sentimos após consumir a erva ou seus derivados. Mas o que você sabe sobre essa sensação mega comum (além do fato de que comer aquele podrão e tomar um sorvete pode fazê-la ir embora)? A verdade é que já é fato aceito e disseminado que a ganja aumenta o apetite, mas por quê? A resposta, como pra tantas outras questões da vida, está na ciência e no nosso corpo, cheio de mistérios que tanto nos fascinam!

A famosa larica é causada, principalmente, pelo nosso sistema endocanabinóide – um sistema neuromodulador produzido pelo nosso próprio corpo. São substâncias muito semelhantes aos canabinóides encontrados na planta, que nos ajudam a controlar as funções internas quando algo está em desequilíbrio. Outro causador é o THC, conhecidíssimo canabinóide presente na nossa plantinha tão querida.

Quer entender melhor? Vamos lá. Se liga na explicação!

Planta de maconha
Planta de maconha

O sistema endocanabinóide e a larica

Talvez você já conheça, talvez não – o sistema endocanabinóide (ECS) foi descoberto em 1990,  na Universidade Hebraica em Jerusalém, pelo dr. Lumir Hanus, juntamente com o pesquisador americano dr. William Devane, enquanto ambos exploravam o composto THC. Com muita pesquisa, foi descoberto que o nosso organismo produz compostos semelhantes aos da cannabis para conter probleminhas internos. Interessante demais, né?

E não para por aí: a ampla presença desses receptores endocanabinóides no corpo humano e sua interação com os hormônios explica porque o ECS funciona como um dos principais atores em funções vitais, como sono, humor, apetite, estresse, função hepática, metabolismo, dor crônica, pele, função nervosa, e tantos outros.

Até agora, os endocanabinóides mais conhecidos são: Anandamida (AEA) e 2-araquidonoylglicerol (2-AG). Além deles, temos os receptores endocanabinóides – proteínas que possibilitam a interação de substâncias com as moléculas presentes no interior desta, e podem ser encontradas em todo o corpo. Na verdade, eles são os receptores neuromoduladores mais abundantes no corpo! Os dois mais conhecidos são o CB-1, encontrado principalmente no sistema nervoso central, e o CB-2, encontrado principalmente no sistema nervoso periférico e no sistema imunológico.

Você pode ler ainda mais sobre esse tema mega interessante no nosso texto sobre o sistema endocanabinóide!

Tá, mas e onde entra o nosso estômago nisso?

Tudo acontece lá naquele cara que tudo pode: seu cérebro. Nossa fome é gerenciada por uma região bem específica, o hipotálamo. Pesquisas apontam que, quando consumimos THC, ele estimula o sistema endocanabinóide justamente por lá, uma área complexa e primitiva do cérebro que regula não apenas o comportamento alimentar, mas também o balanço energético e as emoções.

Planta de maconha de cultivo outdoor em floração
Planta de maconha em floração

Os receptores canabinóides tipo 1 (CB-1) são especialmente responsáveis por isso. Um estudo feito com ratos percebeu que ele é abundantemente encontrado nos terminais axonais dos neurônios. Essa abundância aumenta a capacidade olfativas dos bichinhos, fazendo eles ficarem com ainda mais fome do que o normal. O THC também tem o poder de suprimir seus inibidores de apetite, fazendo com que você coma e não se sinta satisfeito nunca.

Parece que a gente já ouviu essa história antes, só que não com camundongos, né?

Basicamente, você não está com fome: o THC dá uma brincadinha com seu cérebro, faz você sentir os cheiros muito mais maravilhosos do que eles são normalmente, e isso faz apitar o seu alerta de LARICA!

Por isso, nunca vá ao mercado chapada(o).

Sério, não cometa esse erro!

Outros fatos interessantes sobre a larica

  • O THC também aumenta a liberação de dopamina, neuroreceptor que aumenta o prazer de comer. Além de tornar a comida mais gostosa, a substância pode diminuir as inibições. Não é à toa que adoramos fazer as melhores coisas da vida chapadas: comer, dormir e transar. A explicação é científica, ok?

  • Segundo pesquisadores do assunto, a euforia que sentimos quando comemos algo delicioso ou aproveitamos a companhia de quem a gente ama envolve o sistema endocanabinóide interno do nosso cérebro dizendo “obrigado!”.

  • Medicinalmente, a cannabis pode ser usada em pacientes com transtornos alimentares ou outros problemas que afetam o apetite. Essa plantinha é muito maravilhosa e pode ajudar muita gente das mais variadas formas!

Como evitar a larica?

Se você quer driblar a lara, você pode:

  • Fumar depois de comer, para exercitar o seu centro de saciedade cerebral.

  • Fazer outras coisas para se distrair. Enganar seu cérebro exercitando a criatividade, por exemplo, é uma boa forma de se manter longe da comida extra.

  • Esconder as guloseimas. Meio drástico, mas pode funcionar!

  • Fumar strains com menos THC, como a ACDC e a Power Plant.

Sobre comestíveis canábicos

Quando você for aproveitar os efeitos da cannabis através de receitas, tenha bastante cuidado! É possível ter o impulso de comer a própria receita como larica e superdosar. Por isso, sempre que for fazer comestíveis, lembre-se de de cozinhar extra, uma receita sem nenhuma maconha e outra com, além disso, é uma boa ter outras lariquinhas por perto – para emergências.

  • Gostou da ideia de chapar comendo cannabis? Escrevemos um textão sobre como cozinhar da forma certinha, e como descarboxilar sua cannabis!

Vale lembrar que ingerir essa plantinha através de alimentos, é também uma estratégia para reduzir danos, afinal, não existe o processo de mas tem que comer do jeito certo, viu?

Gostou de saber disso? Uma coisa que parece ser tão simples é, na verdade, super complexa – e a gente ama isso sobre a cannabis e as relações dela com nosso corpo. Quer saber mais alguma coisa? Conta aqui nos nossos comentários!

FONTES

https://edition.cnn.com/2018/04/20/health/why-weed-causes-munchies-food-drayer/index.html

https://www.nature.com/articles/nature14260.epdf?sharing_token=pfkVrRmbtlnBkQ9XvXTPctRgN0jAjWel9jnR3ZoTv0M04b-0YQ09_fxOMedh6Tue4tWewX47O0jSoNcwxRRBEc0KrPVMO1cse3U5ch6Ql27OuHvHdHHcjr2DdiLfMUT5ThQRX7aObVhtm4KvKttjIKQggWqr9S1Xb-ytwzcc-tw72uQ0wqHZu0rQg_cW4797vXyRRx6XEkQBHaRsR81uoGQN9R90sUSNVBqFJiTJ3xDM-wNwiiZoIjrFlnaydgzvLmNqeRe8U8-eFucoWOb-mfIGZiyW_FNRaQFw25AxZqk%3D&tracking_referrer=www.cnn.com

https://maryjuana.com.br/2018/05/5-tipos-de-maconha-sem-larica/

https://www.nature.com/articles/nn.3647

guest
5 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
satokazuma636@gmail.com
1 ano atrás

ajudou muito…. ahhh que fome, ovo cume uma casa

satokazuma636@gmail.com
1 ano atrás

ajudou muito…. ahhh que fome, ovo cume uma casa

satokazuma636@gmail.com
1 ano atrás

ajudou muito…. ahhh que fome, ovo cume uma casa

kazuma
kazuma
1 ano atrás

ajudou muito…. ahhh que fome, ovo cume uma casa

Duda nascimento
Duda nascimento
1 mês atrás

Obrigada!! Só essa semana acabei com a compra do mês aqui de casa, n sei oq fazer!