Arts & Food

Fashion

Criada no Canadá, a Barbara Bud fez uma fama relativamente grande em seu país de origem. Mas foi na Europa (mais precisamente em Barcelona) que ela se tornou um ícone da cena. Ganhadora de competições enormes, como a Spannabis, a High Times Cannabis Cup, e diversas edições da Dab-a-Doo, ela conquistou corações e paladares com sua resina aromática, leve e frutada.

Mesmo com altos teores de THC, muitos usuários relatam que essa variedade tem efeitos relaxantes e bem corporais. Isso pode ser extremamente interessante para tratar diferentes condições—que vão desde o estresse crônico até dores musculares. Mas qualquer um se encantaria com essa cepa, principalmente pelo seu gostinho peculiar e delicado de pêssego. Yum!

Aqui, veja a nossa review da Barbara Bud e entenda suas origens, propriedades, efeitos, e como é seu cultivo. Bora conhecer essa nova queridinha!

 

Quais as principais características da Barbara Bud?

A Barbara Bud tem sua origem na cruza das variedades Afghani e Shishkaberry. O Afghani é uma cepa conhecida por seu alto teor de resina e aroma terroso, nativa das regiões montanhosas do Afeganistão. Por outro lado, a Shishkaberry é famosa por seu aroma frutado e alto teor de THC. 

O mix dessas duas linhagens resulta na Barbara Bud, uma cepa que herda o melhor dos seus pais: potência, aroma complexo e efeitos balanceados entre relaxamento físico e euforia mental.

As flores da Barbara Bud são frequentemente cobertas por tricomas resinados, e possuem pistilos que variam de tons de laranja a âmbar. Elas também emitem um perfil aromático complexo. Inicialmente, apresentam uma base terrosa intensa, lembrando solo úmido ou o chão de uma floresta. Esse aroma é complementado por nuances frutadas, especialmente de pêssego e frutas vermelhas como mirtilos ou amoras. Também pode conter notas sutis de citros ou especiarias.

Em termos de composição de canabinoides, a Barbara Bud é conhecida por seu alto teor de THC, que fica em torno dos 23%, de acordo com seus criadores. Já no quesito terpenos, o mirceno é predominante, contribuindo para o aroma terroso e as propriedades sedativas. O limoneno pode oferecer toques cítricos energizantes, enquanto o pineno pode estar presente em menor quantidade, adicionando notas de pinho e propriedades anti-inflamatórias.

 

Quais os efeitos da Barbara Bud?

A Barbara Bud é conhecida por seus efeitos leves, que oferecem uma experiência de relaxamento profundo tanto físico quanto mental. Ao consumi-la, os usuários geralmente experimentam:

  • Euforia cerebral: os usuários frequentemente experimentam uma sensação inicial de euforia cerebral. Isso pode se manifestar como clareza mental, leveza emocional e até mesmo uma melhora no humor;
  • Relaxamento profundo: depois da fase inicial de euforia cerebral, os usuários geralmente relatam um relaxamento profundo, tanto físico quanto mental. Isso pode ajudar a aliviar o estresse diário e promover uma sensação geral de calma;
  • Alívio de tensões musculares: a cepa é eficaz em reduzir tensões musculares. Isso a torna uma escolha popular para aqueles que sofrem de dores musculares leves ou desconforto físico geral. Boa para aquele pós-treino, né não?
  • Indução do sono: suas propriedades sedativas que podem facilitar o sono. Para aqueles que lutam com insônia, a cepa pode promover um sono mais rápido e mais profundo, ajudando a melhorar a qualidade do descanso noturno;
  • Alívio de estresse e ansiedade: os efeitos ansiolíticos da Barbara Bud são bem documentados. Muitos usuários encontram alívio temporário do estresse e da ansiedade, o que pode ajudar a melhorar o bem-estar mental e emocional;
  • Alívio de dores leves: além de relaxar os músculos, a Barbara Bud também pode aliviar dores leves. Isso a torna uma opção potencialmente benéfica para o manejo de desconfortos físicos cotidianos.

Esses efeitos combinados fazem da Barbara Bud uma escolha popular entre os usuários que buscam uma experiência relaxante e calmante, adequada para fins tanto recreativos quanto terapêuticos.

 

Para quem a Barbara Bud é indicada?

As propriedades da Barbara Bud a tornam perfeita para quem deseja uma experiência mais terapêutica — seja vaporizando ou fazendo concentrados. Algumas das pessoas que mais podem se beneficiar com ela são:

  • Pessoas que sofrem com estresse crônico e ansiedade: a galera que lida com estresse diário ou episódios de ansiedade pode encontrar na Barbara Bud um alívio temporário, graças aos seus efeitos ansiolíticos.
  • Pacientes com insônia: pessoas que sofrem de insônia ou têm dificuldades para dormir podem se beneficiar dos efeitos sedativos da Barbara Bud, que ajudam a facilitar o sono e a melhorar a qualidade do descanso noturno.
  • A galera chapadinha de endorfina: sente dores musculares leves ou desconforto físico geral depois de treinar? Você pode encontrar alívio com o uso da Barbara Bud, que possui propriedades analgésicas.
  • Apreciadores em geral: para aqueles que buscam uma experiência relaxante e agradável ao fim do dia, a variedade oferece uma combinação de euforia inicial seguida por um profundo relaxamento, tornando-a ideal para momentos de lazer e socialização leve.
  • Usuários de maconha medicinal: pacientes que buscam alívio de sintomas como estresse, ansiedade, dores leves e distúrbios do sono podem considerar a cepa como parte de seu regime terapêutico.

É importante ressaltar que a resposta aos efeitos da Barbara Bud pode variar de pessoa para pessoa. Então, é aconselhável iniciar com doses baixas e monitorar cuidadosamente os efeitos antes de ajustar o consumo!

 

Sobre o cultivo da Barbara Bud

A Barbara Bud se adapta bem tanto ao cultivo indoor quanto outdoor. Imagens: House of the Great Gardener.

O cultivo da Barbara Bud, uma variedade de cannabis apreciada por suas qualidades relaxantes e aroma distintivo, requer atenção aos detalhes para garantir seu desenvolvimento saudável e maximizar a produção. Essas diretrizes são essenciais para cultivadores interessados em receber o melhor da planta!

Primeiramente, a Barbara Bud pode ser cultivada tanto em ambientes internos quanto externos. Ela se adapta bem a climas temperados, embora seja sensível a condições extremas de calor ou frio. Para um cultivo eficaz, é crucial proporcionar um ambiente com boa ventilação e controle de umidade, especialmente para prevenir o desenvolvimento de mofo.

O solo ideal para a cepa deve ser bem drenado, fértil e ligeiramente ácido, com um pH entre 6.0 e 6.8. É recomendável utilizar substratos ricos em matéria orgânica para nutrir o crescimento robusto da planta. Além disso, técnicas de treinamento de baixo estresse (LST) são recomendadas para controlar o crescimento vertical da planta e otimizar a distribuição da luz, o que pode aumentar a produção de flores.

Mas, de modo geral, seus criadores afirmam que ela não é difícil de cultivar, e também é recomendada para iniciantes. Que tal adicioná-la ao jardim?

 

FAQ

O que é Barbara Bud? 

Barbara Bud é uma variedade de cannabis conhecida por suas qualidades relaxantes e aroma distintivo, nomeada em homenagem à radialista canadense Barbara Budd.

Quais são as características principais da Barbara Bud? 

Ela apresenta flores densas e resinadas, com pistilos laranja a âmbar e folhas verde-escuras típicas de indica. Seu perfil de terpenos inclui aromas terrosos e frutados, com nuances de bagas e uma base herbácea.

Quais são os efeitos da Barbara Bud? 

Os efeitos da cepa começam com uma euforia cerebral seguida por relaxamento físico profundo, tornando-a ideal para uso à noite. Pode aliviar dores leves, reduzir o estresse e ajudar na insônia.

Para quem a Barbara Bud é recomendada? 

É recomendada para usuários que buscam um efeito relaxante e calmante. Por isso, é adequada para combater estresse, ansiedade e problemas de sono. Também pode beneficiar aqueles que procuram alívio de dores leves.

Como é o cultivo da Barbara Bud?

A cepa pode ser cultivada tanto indoor quanto outdoor, preferindo climas temperados. Requer solo bem drenado, iluminação adequada durante o crescimento e floração, e cuidados com nutrientes balanceados e controle de pragas.

Quais são os desafios ao cultivar Barbara Bud?

Os principais desafios incluem o controle de umidade para prevenir mofo, além de monitorar pragas e doenças. Também é importante cuidar da nutrição adequada da planta ao longo de seu ciclo de crescimento.

Você já deve ter ouvido falar de kumbayá por aí, ou até experimentado na rodinha com os amigos. Com um sabor bem herbal e gostosinho, esse mix ganhou o coração de muitas pessoas por ser uma alternativa menos danosa que o tabaco para nossos queridos pulmões. Mas afinal, o que é kumbayá e do que ele é feito?

A verdade é que existem diferentes tipos de kumbayá, e cada blend traz ervas com poderes distintos. Tem gente que prefere mais doce ou mais aromática, e outros que preferem selecionar as ervas de acordo com propriedades específicas. Não existe regra quando o rolê é kumbayá, e ele pode ser bem personalizado quando você deseja fazer o seu em casa, com ervinhas do próprio jardim!

Hoje, vamos falar mais sobre o kumbayá e suas propriedades e possíveis benefícios. Também vamos contar para você como fazer e como escolher as ervas que vão parar no seu. Bora conferir tudo isso?

 

O que é kumbayá?

Kumbayá é um blend de ervas utilizado para fumar! Esse blend é composto por uma mistura de diferentes plantas e ervas, cada uma contribuindo com seus próprios sabores, aromas e propriedades terapêuticas. É bem popular entre aqueles que buscam uma experiência de fumar mais natural ou estão tentando reduzir ou parar o consumo de tabaco.

E o termo “Kumbayá” tem uma origem muito interessante, bonita e triste ao mesmo tempo: é derivado da expressão “Come By Here” no dialeto Gullah, falado pelos afro-americanos da região costeira do sudeste dos Estados Unidos. A expressão foi simplificada foneticamente na forma como os falantes nativos a pronunciavam.

Existe um cântigo espiritual afro-americano com esse mesmo nome. É uma música tradicional que pede a Deus para vir e ajudar na hora de necessidade. Ela foi popularizada durante o movimento pelos direitos civis nos Estados Unidos na década de 1960. 

Embora não se saiba exatamente se o termo “Kumbayá” utilizado para o blend de ervas está diretamente relacionado com a origem e o significado da palavra “Kumbaya”, pode-se especular que a escolha do nome seja inspirada pelo espírito de calma, união e bem-estar que a canção tradicional evoca. Esse espírito de comunidade e tranquilidade se alinha bem com o propósito de criar uma experiência relaxante com o uso dessa mistura de ervas!

 

Como se usa kumbayá?

kumbayá
O blend de ervas pode ser usado de várias formas. Imagem: Girls in Green.

Há várias maneiras de usar kumbayá, dependendo das suas preferências pessoais. Alguns dos nossos exemplos favoritos são:

No cigarro de ervas ou beck

Você pode comprar cigarros de kumbayá prontos ou usar o mix para enrolar seu baseado. Ele é perfeito para substituir o tabaco ou até mesmo a flor, caso você estiver bolando com haxixe. Para preparar, basta fazer a mistura em uma cuia, transferir para uma seca de qualidade, posicionar sua piteira longa e o filtro, e botar fogo.

Cachimbo

Também é possível usar seu blend de ervas em cachimbos ou pipes. Para isso, coloque uma pequena quantidade da mistura no cachimbo. Não compacte demais as ervas para permitir um fluxo de ar adequado! Acenda as ervas e puxe a fumaça gentilmente. 

Lembrando: utilize cachimbos de vidro, madeira ou cerâmica para uma melhor experiência. Nada de plástico ou materiais de baixa qualidade não, viu?

Vaporizador

O vaporizador para ervas secas pode ser tudinho de bom. Nele, você pode selecionar temperaturas mais baixas, o que ajuda muito a reduzir danos ao evitar a carburação das duas ervas. Para usar seu kumbayá vaporizado, basta colocá-lo na câmara, selecionar a temperatura que você deseja, e voilà!

Você também pode misturar com a sua maconha e vaporizar tudo junto. Aqui, falamos sobre os benefícios da vaporização!

 

Quais os benefícios do kumbayá?

Os blends de ervas como o kumbayá podem oferecer vários benefícios, especialmente quando usados como alternativa ao tabaco! Por exemplo:

  • Zero nicotina: uma das maiores vantagens é que blends de ervas como o kumbayá não contêm nicotina, a substância viciante presente no tabaco. Isso pode ajudar as pessoas a reduzir ou parar o uso de produtos de tabaco sem sofrer os efeitos colaterais.
  • Propriedades terapêuticas das ervas: as ervas utilizadas no kumbayá podem ter várias propriedades benéficas. Existem opções mais calmantes (camomila), anti-inflamatórias (hortelã-pimenta), ou até digestivas (funcho).
  • Aromaterapia: o aroma natural das ervas pode ter efeitos calmantes e revigorantes, dependendo das plantas utilizadas. E quem não curte dar aquela defumadinha com ervas na casa?
  • Variedade de sabores e aromas: a mistura de diferentes ervas cria uma experiência de fumar mais rica e variada, com sabores e aromas únicos que não são encontrados no tabaco tradicional.
  • Rituais e meditação: fumar ervas pode fazer parte de práticas espirituais e de meditação, ajudando a alcançar um estado de relaxamento e introspecção.

 

Como fazer seu kumbayá

Fazer seu mix é bem fácil: basta ficar de olho nas proporções! Imagem: Girls in Green.

Fazer um blend de ervas como kumbayá para fumar envolve a seleção cuidadosa de ervas que ofereçam benefícios específicos, combinando sabores e propriedades terapêuticas. Para ajudar nisso, bolamos um breve guia para criar seu próprio blend:

Passo a passo

Primeiro passo: seleção das ervas

Escolha ervas que sejam seguras para fumar e que ofereçam os benefícios desejados. 

Segundo passo: proporção das ervas

Decida a proporção de cada erva no seu blend. Uma combinação equilibrada pode ser:

  • 40% de erva base;
  • 30% de ervas principais;
  • 20% de ervas de sabor e aroma;
  • 10% de ervas complementares.

Terceiro passo: preparação das ervas

Certifique-se de que todas as ervas estejam completamente secas antes de usá-las para fumar. Ervas úmidas podem não queimar corretamente! Depois, triture as ervas em pedaços pequenos e uniformes. Você pode usar um almofariz e pilão, um moedor de ervas ou até mesmo os dedos.

Combine as ervas em uma tigela grande, misturando bem para garantir que a distribuição seja uniforme.

Quarto passo: armazenamento

Armazene o blend em um recipiente hermético, como um frasco de vidro, para manter as ervas frescas e preservar suas propriedades. Mantenha o frasco em um local fresco, seco e escuro para evitar a degradação!

Exemplo de receitinha

  • 2 colheres de sopa de Mullein;
  • 1 colher de sopa de Camomila;
  • 1 colher de sopa de Lavanda;
  • 1/2 colher de sopa de Hortelã-pimenta;
  • 1/2 colher de sopa de Damiana;
  • 1 colher de chá de pétalas de Rosa;
  • 1 colher de chá de folhas de Erva-cidreira.

 

Quais ervas escolher?

Escolher as ervas certas para o seu blend de kumbayá depende dos benefícios que você está buscando e das suas preferências de sabor e aroma. Algumas ervas comuns usadas para isso são:

  • Camomila (Matricaria chamomilla): conhecida por suas propriedades calmantes, anti-inflamatórias e sedativas leves. Pode ajudar a reduzir o estresse, a ansiedade e promover um sono melhor.
  • Lavanda (Lavandula angustifolia): possui propriedades relaxantes e pode ajudar a aliviar a ansiedade, o estresse e melhorar o humor.
  • Hortelã-pimenta (Mentha piperita): refrescante e estimulante, pode ajudar a clarear a mente, melhorar a concentração e aliviar problemas respiratórios.
  • Damiana (Turnera diffusa): usada tradicionalmente como afrodisíaco e para melhorar o humor, também pode ajudar a aliviar a ansiedade.
  • Mullein (Verbascum thapsus): conhecida por suas propriedades benéficas para os pulmões, ajuda a suavizar a fumaça e pode aliviar problemas respiratórios.
  • Erva-cidreira (Melissa officinalis): calmante e antidepressiva, pode ajudar a reduzir o estresse e melhorar o humor.
  • Rosa (Rosa spp.): as pétalas de rosa são calmantes e podem ajudar a aliviar o estresse. Além disso, são ótimas para quem deseja um mix floral e aromático.
  • Sálvia (Salvia officinalis): tem propriedades antimicrobianas e pode ajudar a melhorar a memória e a concentração.
  • Folhas de Goiaba (Psidium guajava): possuem propriedades antissépticas e anti-inflamatórias, podendo ajudar a aliviar problemas respiratórios.
  • Calêndula (Calendula officinalis): anti-inflamatória e cicatrizante, pode ajudar a aliviar a dor de garganta e outras irritações respiratórias.

 

FAQ

O que é Kumbayá?

Kumbayá é um blend de ervas usado para fumar, que oferece uma alternativa natural ao tabaco e pode proporcionar benefícios terapêuticos dependendo das ervas selecionadas.

Quais são os benefícios de fumar Kumbayá?

Os benefícios incluem relaxamento, alívio do estresse, melhora do humor e propriedades anti-inflamatórias e digestivas, dependendo das ervas usadas.

Quais ervas são comuns em blends de Kumbayá?

Algumas ervas comuns são camomila, lavanda, hortelã-pimenta, damiana, mullein, erva-cidreira, pétalas de rosa, sálvia e calêndula.

Como preparar um blend de Kumbayá?

Escolha ervas secas e seguras para fumar, triture-as em pedaços pequenos e misture-as em proporções equilibradas. Armazene o blend em um recipiente hermético em local fresco e seco.

Como fumar Kumbayá?

Você pode fumar Kumbayá em cigarros de ervas, cachimbos ou vaporizadores. Certifique-se de fumar em um ambiente bem ventilado e com moderação.

Fumar Kumbayá é seguro?

Embora seja uma alternativa mais saudável ao tabaco, fumar qualquer substância pode afetar a saúde respiratória. Use ervas de alta qualidade e fume com moderação.

Onde posso comprar ervas para Kumbayá?

Ervas para blends de Kumbayá podem ser compradas em lojas de produtos naturais, lojas de ervas, ou online. Certifique-se de escolher produtos orgânicos e livres de pesticidas.

Posso fazer meu próprio blend de Kumbayá?

Sim, fazer seu próprio blend permite personalizar as ervas de acordo com suas preferências e necessidades específicas. Escolha ervas seguras e siga as proporções recomendadas.

Kumbayá pode ajudar a parar de fumar tabaco?

Muitos usam Kumbayá como uma alternativa ao tabaco para reduzir ou parar o uso de produtos de tabaco, já que não contém nicotina e oferece uma experiência de fumar diferente.

Existem efeitos colaterais ao fumar Kumbayá?

Possíveis efeitos colaterais incluem irritação das vias respiratórias, especialmente se fumado em excesso. Algumas pessoas podem ser alérgicas a certas ervas, então é importante conhecer as ervas usadas no blend.

Conforme as competições canábicas se desenvolvem e ficam cada vez maiores, muita gente se pergunta: afinal, como fazer para participar de uma Copa de Haxixe? Seja a Emerald Cup, a Masters of Rosin, ou a Dab-a-Doo—existem algumas pequenas (grandes) sabedorias que só quem já participa faz tempo já sacou e pode oferecer. Por isso, fomos direto a nossa fonte-mor e entrevistamos nossa criadora Alice Reis!

A Alice acumula anos não apenas de experiência na arte de fazer um bom haxixe, mas também na arte de colocá-lo no topo nas mais diversas competições do mundo. Por isso, nada melhor do que conversar com ela para entender o que realmente importa quando entramos em uma Copa, como as amostras são julgadas, e quais tipos de amostra tem realmente mais chances de subir ao pódio.

Aqui, confira os conselhos da nossa guru do hash e entenda não apenas como entrar em uma competição, mas como levar o troféu de primeiro lugar pra casa! Bora compreender o que levar em consideração para ter sucesso nessa empreitada?

 

O que saber antes de participar de uma Copa de Haxixe?

Se você deseja participar de uma Copa de Haxixe, existem algumas coisas que são essenciais. De acordo com Alice, tudo isso pode ser resumido na frase: “analise as tendências e saia para jogar o jogo”. Mas o que exatamente isso significa?

Bom, entenda que você deve:

Compreender a dinâmica da Copa

Antes de entrar em uma Copa de Haxixe, é essencial compreender como funciona o evento. Isso envolve entender quem são os jurados, qual é o processo de avaliação e quais são os critérios de pontuação. Ao fazer isso, você pode ajustar sua estratégia para se adequar ao ambiente competitivo. 

Lembre-se de que a competição é mais do que apenas apresentar um produto—é um jogo estratégico. “Às vezes entrar com o seu coração não é tão positivo quanto entrar com a sua cabeça porque, como é um jogo, você tem que pensar e criar estratégias,” explica a hash maker. Então, em vez de simplesmente seguir suas preferências pessoais, é importante considerar o que os juízes estão procurando e adaptar sua abordagem de acordo. Isso significa pensar estrategicamente sobre cada aspecto da sua participação, desde a seleção do produto até a apresentação.

Saber que sim: a primeira impressão fica!

É: a aparência importa demais! Imagem: Janis Olivetti (@janis0livetti).

“A sua extração tem uma primeira impressão muito grande. Então eu acredito que a aparência, infelizmente, tem um papel importante nas Copas, tem um papel mais importante do que eu gostaria que tivesse, inclusive. Agora, o cheiro… você abrir e levar um soco do cheiro, sabe? Faz muita diferença.”

A aparência e o aroma do seu produto têm um impacto significativo na percepção dos juízes. A primeira impressão que sua extração causa pode influenciar fortemente sua pontuação. Portanto, é crucial escolher uma entrada que seja visualmente atraente e que tenha um aroma distinto e agradável. Lembre-se de que os juízes estão avaliando várias amostras e é importante fazer com que a sua se destaque desde o início. Isso significa selecionar cuidadosamente o produto e prepará-lo de uma forma que chame a atenção e desperte o interesse dos juízes.

Analisar as trends do mercado

Para ter sucesso em uma Copa de Haxixe, é fundamental estar ciente das tendências do mercado. Isso inclui identificar quais cepas estão em alta (como a Zkittlez, que vem ganhando vários prêmios), quais características são valorizadas e quais técnicas de produção estão ganhando destaque. Por exemplo, cepas exóticas e tropicais, com aromas intensos e frutados, têm sido muito populares entre os juízes e consumidores.

Além disso, a consistência do produto é cada vez mais importante. Técnicas como o Piattella e o heat tech podem ajudar a destacar o produto através da textura e complexidade. Ao analisar as tendências do mercado, você pode adaptar sua abordagem de produção para criar um produto que se destaque entre a concorrência.

 

E o que saber se você deseja julgar uma Copa de Haxixe?

Alice e Mila Hash Queen na Dab-a-Doo. Imagem: Girls in Green.

Para ser um jurado em uma Copa de Haxixe, é essencial conhecer bem o produto e desenvolver seu paladar. “Não adianta julgar algo que você não conhece profundamente,” ressalta Alice. Também é importante marcar presença na cena, participar dos eventos e fazer seus talentos como apreciador da arte serem reconhecidos!

Além disso, como já contamos por aqui, os pré-requisitos comuns para jurados e juradas em competições de haxixe variam de acordo com cada evento. No entanto, alguns critérios são frequentemente valorizados:

  • Capacidade de consumo: em primeiro lugar, é essencial que os jurados sejam capazes de consumir o produto. Parece óbvio, né? Mas é fundamental experimentar a amostra, mesmo que sem tragar, para poder perceber suas nuances de sabor, aroma e aftertaste.
  • Tolerância ao consumo: além disso, uma alta tolerância ao consumo pode ser vantajosa, especialmente em competições que exigem que os jurados avaliem uma grande quantidade de amostras em um curto espaço de tempo. 
  • Conhecimento profundo do produto: como já falamos, outro pré-requisito importante é o conhecimento aprofundado do produto e a capacidade de diferenciar sua qualidade. Os jurados devem estar familiarizados com uma variedade de cepas, técnicas de extração e características que definem um produto de qualidade.
  • Sensibilidade sensorial: ter um paladar e olfato apurados é crucial para identificar nuances sutis de sabor e consistência. Essas características podem passar despercebidas por pessoas com menos sensibilidade!

Embora nem todos os jurados possuam essas qualidades em seu máximo potencial, Alice ressalta a importância de que todos tenham pelo menos um alto nível de apreciação e compreensão do produto que estão avaliando. Isso é fundamental para estabelecer uma base sólida para o sucesso na avaliação do haxixe em competições.

 

FAQ

O que é uma Copa de Haxixe?

Uma Copa de Haxixe é um evento competitivo onde produtores de haxixe submetem suas melhores extrações para serem avaliadas por um painel de jurados. O objetivo é reconhecer e premiar a excelência na produção de haxixe.

Quais são os critérios de avaliação em uma Copa de Haxixe?

Os critérios de avaliação podem variar entre os diferentes eventos, mas geralmente incluem aspectos como aroma, sabor, aparência, consistência e efeitos do haxixe.

Quem são os jurados em uma Copa de Haxixe?

Os jurados são geralmente pessoas com experiência e conhecimento profundo sobre o haxixe. Eles são responsáveis por avaliar as amostras submetidas e determinar quais são as melhores em cada categoria.

Como os jurados são selecionados?

Os jurados podem ser selecionados com base em sua reputação na indústria do haxixe, experiência prévia em competições ou recomendações de especialistas. Em alguns casos, os organizadores podem realizar um processo de inscrição ou seleção para escolher os jurados.

Quais são os pré-requisitos para ser um jurado em uma Copa de Haxixe?

Os pré-requisitos podem variar! Geralmente incluem a capacidade de consumir o produto em questão e uma alta tolerância ao consumo. Além disso, conhecimento aprofundado do produto e sensibilidade sensorial aguçada são vantagens!

Como os produtos são avaliados durante a competição?

Durante a competição, os jurados realizam uma análise sensorial das amostras submetidas. São avaliados aspectos como aroma, sabor, aparência, consistência e efeitos. Com base nessas avaliações, eles atribuem pontuações às amostras e determinam os vencedores em cada categoria.

Quais são algumas dicas para os participantes que desejam competir em uma Copa de Haxixe?

Algumas dicas incluem entender a dinâmica da competição e considerar a primeira impressão que sua extração causa. Também ajuda analisar as tendências do mercado e criar um produto que se destaque.

Quais são as tendências atuais na produção de haxixe?

Tendências atuais incluem o uso de cepas exóticas e tropicais. Além disso, técnicas de extração inovadoras e ênfase na consistência do produto são importantes. Ficar atualizado com as tendências pode ajudar os participantes a se destacarem em competições.

O uso de drogas nem sempre (ou quase nunca) se restringe a uma substância só. Em contextos diferentes, podemos preferir efeitos diferentes. Por exemplo: tem a galera que adora tomar uma cervejinha socialmente com os amigos e fumar um de boa, sozinho, na hora de relaxar. E tem também o pessoal que curte usar outras drogas em festas, como o MDMA. É uma questão bem pessoal! Mas por isso, é essencial entender diferentes tipos de drogas e como elas agem no nosso corpo.

Existem diferentes formas de classificar drogas. Elas podem ser separadas de acordo com a maneira como agem no nosso organismo, além de como e quando são utilizadas. Aqui, vamos focar no primeiro tipo de classificação—embora a gente não veja ele como algo 100% completo, e vamos explicar o motivo. De acordo com esse modelo, existem drogas estimulantes, depressoras e perturbadoras do sistema nervoso central. Literaturas mais novas também incluem outras definições, como enteógenas, empatogênicas e dissociativas.

Quer saber o que os tipos de droga significam, quais suas ações no nosso cérebro e como podemos reduzir danos? Bora entender tudo isso!

 

Depressoras do Sistema Nervoso Central (SNC)

Álcool, benzodiazepínicos e opioides são depressores. Imagem: Girls in Green.

Reduzem a atividade do sistema nervoso central, causando um efeito de “desaceleração” no corpo e na mente. Os principais tipos de drogas desse grupo são:

Álcool:

  • Como ele age? O álcool atua principalmente aumentando a atividade do neurotransmissor inibitório GABA (ácido gama-aminobutírico) e diminuindo a atividade do neurotransmissor excitatório glutamato. Isso resulta em uma diminuição da atividade neuronal e uma sensação de relaxamento e sedação.
  • Quais seus efeitos? Redução da ansiedade, coordenação motora prejudicada, fala arrastada, e em doses altas, depressão respiratória e coma.

Benzodiazepínicos:

  • Como eles agem? Benzodiazepínicos se ligam a receptores GABA-A, potenciando os efeitos do GABA e aumentando a entrada de íons cloreto nas células nervosas, resultando em hiperpolarização e diminuição da excitabilidade neuronal.
  • Quais seus efeitos? Sedação, redução da ansiedade, relaxamento muscular, anticonvulsivante, risco de dependência e overdose.

Opioides:

  • Como eles agem? Opioides se ligam a receptores opioides (mu, delta e kappa) no cérebro e na medula espinhal, mimetizando os efeitos de neurotransmissores endógenos como as endorfinas. Isso resulta na inibição da liberação de neurotransmissores excitatórios e na modulação da percepção da dor.
  • Quais seus efeitos? Analgesia, euforia, sedação, depressão respiratória, constipação e alto potencial de dependência.

 

Estimulantes do SNC

tipos de drogas
Exemplos de estimulantes incluem a cafeína e a cocaína. Imagem: Girls in Green.

Aumentam a atividade do sistema nervoso central, elevando os níveis de alerta e energia.

Cocaína:

  • Como ela age? A cocaína bloqueia a reabsorção de dopamina, noradrenalina e serotonina nos neurônios pré-sinápticos, aumentando a concentração desses neurotransmissores na fenda sináptica e prolongando sua ação.
  • Quais seus efeitos? Euforia intensa, aumento de energia, alerta, paranoia, aumento da frequência cardíaca e pressão arterial, risco de ataque cardíaco e AVC.

Anfetaminas:

  • Como elas agem? Anfetaminas aumentam a liberação de dopamina e noradrenalina dos terminais nervosos, além de inibir a reabsorção desses neurotransmissores. Elas também bloqueiam a ação da monoamina oxidase, uma enzima que degrada neurotransmissores.
  • Quais seus efeitos? Aumento de energia e concentração, redução do apetite, aumento da frequência cardíaca e pressão arterial, risco de dependência e psicose.

Cafeína:

  • Como ela age? A cafeína bloqueia os receptores de adenosina, que normalmente promovem a sensação de sonolência. Isso leva a um aumento na liberação de dopamina e noradrenalina.
  • Quais seus efeitos? Aumento de alerta e energia, melhora na concentração, possíveis efeitos colaterais como insônia, ansiedade e taquicardia.

 

Perturbadoras do SNC

tipos de drogas
O LSD e a psilocibina são considerados perturbadores. Imagem: Girls in Green.

Alteram a percepção da realidade, podendo causar alucinações e distorções sensoriais.

LSD:

  • Como ele age? O LSD atua principalmente como agonista parcial nos receptores de serotonina (5-HT2A) no córtex cerebral, o que resulta em alterações na percepção sensorial e cognição.
  • Quais seus efeitos? Alucinações visuais e auditivas, sinestesia, distorção do tempo, aumento da introspecção, possíveis reações de ansiedade e paranoia.

Psilocibina:

  • Como ela age? A psilocibina é convertida em psilocina no corpo, que então se liga aos receptores de serotonina (5-HT2A), induzindo alterações na percepção e cognição.
  • Quais seus efeitos? Experiências místicas e introspectivas, alucinações visuais, euforia, confusão, e em alguns casos, ansiedade ou pânico.

Mescalina:

  • Como ela age? A mescalina também se liga aos receptores de serotonina (5-HT2A), provocando efeitos alucinógenos semelhantes aos do LSD e psilocibina.
  • Quais seus efeitos? Alterações na percepção sensorial, alucinações visuais e auditivas, distorção do tempo e espaço, possíveis náuseas e vômitos.

 

E a maconha?

Aí vem o pulo do gato! A maconha é uma substância tão complexa que se encaixa em mais de uma classificação. Isso acontece devido aos seus múltiplos efeitos no sistema nervoso central. Essa versatilidade se deve à presença de mais de 100 canabinoides, sendo os principais o tetrahidrocanabinol (THC) e o canabidiol (CBD). 

O THC, o principal composto chapante da maconha, se liga aos receptores canabinoides CB1 e CB2. Esses receptores estão amplamente distribuídos no cérebro, especialmente em áreas relacionadas ao controle do movimento, memória, cognição e emoções. A ligação do THC a esses receptores resulta em uma série de efeitos que podem ser classificados de várias maneiras:

  • Como depressora do SNC, a maconha pode induzir relaxamento, sonolência e redução da ansiedade devido à diminuição da atividade neuronal promovida pelo THC; 
  • Como estimulante do SNC, especialmente em doses baixas ou com cepas ricas em sativas, ela pode aumentar a energia, criatividade e euforia, produzindo uma sensação de bem-estar;
  • Além disso, como perturbadora do SNC, a maconha pode alterar a percepção sensorial, temporal e espacial, provocando alucinações leves e confusão mental em doses altas.

O CBD, por sua vez, modula os efeitos do THC e interage com uma variedade de receptores no cérebro, incluindo os de serotonina e TRPV1, sem se ligar diretamente aos receptores canabinoides. Isso resulta em efeitos terapêuticos como a redução da ansiedade e inflamação, e alívio da dor, enquanto atenua os efeitos psicoativos do THC.

 

Outras Categorias de Drogas

Outras categorias incluem enteógenos, empatogênicos e dissociativos. Imagem: Girls in Green.

Além dos tipos de drogas principais, algumas substâncias são classificadas com base em seus efeitos específicos:

Enteógenas

São substâncias que induzem estados de consciência alterados frequentemente associados a experiências espirituais ou místicas.

Ayahuasca:

  • Como ela age? A ayahuasca contém DMT (dimetiltriptamina) e inibidores da MAO (monoamina oxidase). O DMT, um potente agonista dos receptores de serotonina, provoca intensas experiências alucinógenas, enquanto os inibidores da MAO permitem que o DMT seja oralmente ativo.
  • Quais seus efeitos? Experiências espirituais e místicas profundas, introspecção, alucinações visuais e auditivas, possíveis náuseas e vômitos.

Empatogênicas

Aumentam a sensação de empatia e conexão emocional com os outros.

MDMA:

  • Como ele age? O MDMA aumenta a liberação e inibe a reabsorção de serotonina, dopamina e noradrenalina, resultando em uma alta concentração desses neurotransmissores na fenda sináptica.
  • Quais seus efeitos? Intensos sentimentos de empatia, euforia, conexão emocional, aumento da percepção sensorial, possíveis efeitos colaterais como hipertermia, desidratação e depleção de serotonina.

Dissociativas

Causam uma sensação de desconexão da realidade e do próprio corpo.

Ketamina:

  • Como ela age? A ketamina bloqueia os receptores NMDA de glutamato, um neurotransmissor excitatório, resultando em uma diminuição da atividade neuronal e sensação de dissociação.
  • Quais seus efeitos? Sensação de desconexão do corpo e da realidade, alucinações, analgesia, em doses altas, experiências de quase-morte ou estados “fora do corpo”.

 

Como reduzir danos?

A redução de danos é crucial para minimizar os riscos associados ao uso de drogas. As estratégias estão bem relacionadas ao tipo de substância usada, mas de forma geral incluem:

  • Educação: informar sobre os efeitos, riscos e formas de uso mais seguras dos diferentes tipos de drogas, bem como suas possíveis interações. São realizadas em diferentes contextos, desde palestras e ações educativas até os estantes em festas.
  • Distribuição de material seguro: fornecimento de seringas esterilizadas, kits de redução de danos e testes de pureza de substâncias. Isso dá ferramentas aos usuários, que podem fazer um uso mais seguro!
  • Apoio médico e psicológico: acesso a terapia e suporte emocional para entender seu uso. Como ele afeta você? Será que ele faz sentido? Como você pode melhorar sua relação com a substância?
  • Intervenções comunitárias: programas de troca de seringas, centros de consumo seguro e redes de apoio social. O Centro de Convivência É De Lei, por exemplo, é um dos maiores e mais emblemáticos do Brasil. Que tal conhecer o trabalho da galera?

 

FAQ

Quais são os principais tipos de drogas? 

As drogas são classificadas em depressoras, estimulantes e perturbadoras do sistema nervoso central (SNC).

O que são drogas depressoras do SNC? 

Drogas depressoras reduzem a atividade do SNC, causando relaxamento, sonolência e diminuição da ansiedade. Exemplos incluem álcool, benzodiazepínicos e opioides.

O que são drogas estimulantes do SNC? 

Drogas estimulantes aumentam a atividade do SNC, elevando a energia, a atenção e a sensação de euforia. Exemplos incluem cocaína, anfetaminas e cafeína.

O que são drogas perturbadoras do SNC? 

Drogas perturbadoras alteram a percepção da realidade, causando alucinações e distorções sensoriais. Exemplos incluem LSD, psilocibina e mescalina.

Por que a cannabis se encaixa em mais de uma classificação? 

A cannabis pode ser classificada como depressora, estimulante e perturbadora devido aos seus múltiplos efeitos no SNC. O THC e o CBD, seus principais componentes, produzem relaxamento, aumento de energia e alterações na percepção.

O que são drogas enteógenas? 

Drogas enteógenas induzem estados de consciência alterados frequentemente associados a experiências espirituais ou místicas. Exemplos incluem ayahuasca e psilocibina.

O que são drogas empatogênicas? 

Drogas empatogênicas aumentam a empatia e a conexão emocional com os outros. Um exemplo é o MDMA (ecstasy).

O que são drogas dissociativas? 

Drogas dissociativas causam uma sensação de desconexão da realidade e do próprio corpo. Exemplos incluem ketamina e dextrometorfano (DXM).

Como as drogas afetam o cérebro? 

As drogas afetam o cérebro interagindo com neurotransmissores e receptores específicos, alterando a comunicação neuronal e, consequentemente, as funções cognitivas e emocionais.

O que é redução de danos? 

Redução de danos é uma abordagem para minimizar os efeitos negativos do uso de drogas sem exigir abstinência, através de educação, fornecimento de materiais seguros e acesso a tratamentos.

Durável, respirável e sustentável: três dos benefícios mais citados das roupas de cânhamo já são um forte indicador de todo o potencial por trás desse tecido. Feito a partir das fibras da planta, o material possui vantagens não apenas para quem usa—mas também para quem produz e para o nosso planeta como um todo! Mas como a gente não ouve mais sobre ele?

É, a proibição nos tirou até isso. Com os problemas na regulamentação, fica difícil para os produtores brasileiros explorarem o potencial do cânhamo na moda. Mas isso vem mudando pouco a pouco, conforme as leis de afrouxam dentro e fora do país. Na China e em outros países asiáticos, grandes quantidades dessa fibra são produzidas, e ela já apareceu até em passarelas com marcas como a Ralph Lauren e a Versace

Hoje, nós vamos explorar o universo das roupas de cânhamo, suas principais características, e os benefícios do uso desse tecido para a gente e para o meio ambiente. Bora conhecer tudo isso com a gente e entender porque usar cânhamo na moda pode ser revolucionário?

 

Quais as principais características do tecido de cânhamo?

O tecido de cânhamo é produzido a partir das fibras do caule da planta Cannabis sativa. Seu processo de produção envolve a colheita das plantas, que são então deixadas para retificação. Nesse passo, as fibras externas são separadas da parte interna. Essas fibras são processadas, limpas e transformadas em fios. 

Naturalmente semelhante ao linho em aparência e toque, o cânhamo pode ser tão macio quanto a seda, drapeado como o linho e aconchegante como o fleece. Sua textura pode variar, mas geralmente é mais suave e respirável que a lona e mais durável que o algodão. 

O cânhamo é uma das fibras naturais mais fortes e duráveis, com resistência à tração três vezes maior que a do algodão! Isso resulta em roupas que mantêm sua forma e integridade por anos e anos. O tecido de cânhamo é macio e fica ainda mais macio com cada lavagem. Isso é perfeito para quem curte aquelas peças-chave atemporais e gosta de roupas que durem por muuuuuito tempo.

O tecido de cânhamo também é bem versátil e pode ser misturado com outras fibras, como algodão e seda. Assim, as marcas podem criar tecidos híbridos que combinam força e conforto. Ou seja: algumas das principais características do tecido de hemp é justamente sua durabilidade, conforto e funcionalidade.

 

E quais os benefícios das roupas de cânhamo para quem veste?

roupas de cânhamo
Gostosas de vestir e eco-friendly, essas peças são só vantagem! Imagem: Canva.

As roupas de cânhamo oferecem uma série de benefícios para quem veste, e é por isso que, na maioria das vezes, valem o investimento! Alguns dos seus principais pontos positivos incluem:

  • Um look mais comfy: o tecido de cânhamo é conhecido por sua sensação suave e macia. E ele se torna ainda mais confortável com o uso contínuo e lavagens repetidas! Isso torna as peças ideais para uso diário, principalmente se você prioriza o conforto (assim como a gente).
  • Durabilidade e resistência: graças à resistência natural das fibras de cânhamo, as roupas feitas deste material são excepcionalmente duráveis. Elas não se desfazem facilmente, não desbotam e não perdem sua forma original. Só vantagens!
  • Proteção contra os elementos: as peças de cânhamo oferecem uma certa resistência aos raios UV, ajudando a proteger a pele dos danos causados pelo sol. Além disso, sua natureza respirável e absorvente proporciona conforto em climas quentes, mantendo quem as veste sequinhos e frescos.
  • Propriedades antimicrobianas: as roupas de cânhamo possuem propriedades antimicrobianas naturais. Isso significa que são menos propensas a desenvolver odores desagradáveis, mesmo após longos períodos de uso! Adiós, cecê.
  • Versatilidade e estilo: nas roupas de cânhamo, o que não falta é variedade de estilos e designs, desde peças casuais até peças mais elegantes. Sua versatilidade permite que sejam usadas em uma variedade de formas e ocasiões. 

Esses benefícios combinados fazem das roupas de cânhamo uma escolha popular para aqueles que procuram peças de vestuário confortáveis, duráveis, ecológicas e estilosas! A gente realmente acredita que eles podem ser uma alternativa para quem deseja se livrar das fast fashion e dos tecidos sintéticos.

 

Além disso, as roupas de cânhamo beneficiam o meio ambiente

As roupas de cânhamo oferecem uma série de benefícios ambientais significativos. Elas contribuem para a sustentabilidade e a preservação do meio ambiente de várias maneiras:

  1. Uso eficiente de recursos: o cultivo de cânhamo requer significativamente menos água em comparação com culturas como o algodão. Isso ajuda a preservar os recursos hídricos, reduzindo a pressão sobre os aquíferos e ecossistemas aquáticos.
  2. Menos uso de pesticidas e herbicidas: o cânhamo é naturalmente resistente a pragas e doenças, o que significa que requer menos pesticidas e herbicidas em comparação com outras culturas de fibra, como o algodão. Isso reduz a poluição do solo e da água, protegendo os ecossistemas locais e a biodiversidade.
  3. Benefícios para o solo: como a gente já falou por aqui, o cultivo de cânhamo pode melhorar a saúde do solo. Suas raízes profundas ajudam a aerar o solo e promover a biodiversidade microbiana. Além disso, o cânhamo pode ser cultivado em uma rotação de culturas, ajudando a reduzir a erosão do solo e a degradação da terra.
  4. Absorção de carbono: o cânhamo é uma cultura de crescimento rápido e absorve grandes quantidades de dióxido de carbono (CO2) da atmosfera durante o seu ciclo de crescimento. Isso ajuda a mitigar as mudanças climáticas, contribuindo para a redução das emissões de gases de efeito estufa.
  5. Biodegradabilidade: essas roupas são biodegradáveis. Ou seja: elas se decompõem naturalmente no ambiente, sem deixar resíduos prejudiciais. Isso reduz o acúmulo de resíduos em aterros sanitários e contribui para a saúde dos ecossistemas.
  6. Menor pegada de carbono: devido ao seu ciclo de vida mais sustentável, desde o cultivo até a produção do tecido, essas roupas têm uma pegada de carbono geralmente menor em comparação com as feitas de materiais convencionais, como o algodão.

 

Marcas de roupas de cânhamo para conhecer

Algumas marcas brasileiras já trabalham com tecidos de cânhamo. Imagem: Chico Rei.

Algumas marcas brasileiras que trabalham com roupas de cânhamo e outros tecidos mais sustentáveis são a Greenco, a Kamah, e até a Chico Rei. Que tal dar uma olhadinha e abandonar aquele carrinho da Shein, hein?

 

FAQ

O que são roupas de cânhamo?

Roupas de cânhamo são peças de vestuário feitas a partir de fibras derivadas da planta de cânhamo, Cannabis sativa. Essas fibras são extraídas dos caules da planta e utilizadas na fabricação de tecidos para diversos tipos de roupas.

Qual é a relação entre cânhamo e maconha?

Cânhamo e maconha são variedades da mesma planta, Cannabis sativa. No entanto, o cânhamo é cultivado especificamente para suas fibras e sementes. Enquanto isso, a maconha é cultivada principalmente por suas propriedades psicoativas. As variedades de cânhamo utilizadas na fabricação de roupas contêm níveis muito baixos de THC.

Quais são os benefícios das roupas de cânhamo?

As roupas de cânhamo possuem uma série de benefícios, incluindo durabilidade, resistência a odores, respirabilidade, proteção UV e sustentabilidade ambiental. O tecido de cânhamo é conhecido por sua resistência e durabilidade. Isso o torna ideal para peças que precisam resistir ao desgaste diário. Além disso, o cultivo de cânhamo requer menos água e produtos químicos em comparação com outras culturas de fibra. Por isso, é uma opção mais sustentável para a produção de tecidos.

As roupas de cânhamo são legais?

Sim! O tecido é legal na maioria dos países, incluindo os Estados Unidos e na União Europeia. No entanto, as leis podem variar de país para país, e é importante verificar as regulamentações locais antes de comprar ou vender roupas de cânhamo.

Quais são as tendências atuais em roupas de cânhamo?

Atualmente, há uma crescente demanda por moda sustentável e eco-friendly, o que tem impulsionado o interesse em roupas de cânhamo. Muitas marcas de moda estão incorporando cânhamo em suas coleções, oferecendo uma variedade de estilos e designs para atender às necessidades dos consumidores conscientes.

Dizer que o cânhamo pode salvar o mundo (ou ao menos nosso solo) pode parecer até um sonho hippie. Mas não é—pelo menos de acordo com pesquisas recentes. Desde os anos 1990, a versão da maconha com pouquíssimo THC tem mostrado o seu potencial no estabelecimento de diferentes indicadores de saúde do solo. Mas afinal, qual a relação entre o cânhamo e a limpeza do solo? Seria possível descontaminar o solo com maconha?

Com o deterioramento do nosso solo cultivável, causado principalmente pela monocultura, precisamos encontrar alternativas para reabilitar nossas terras. E o cânhamo pode ter um papel-chave em tudo isso, sendo um aliado incrível para a biorremediação. Esse processo de nomezinho complicado trata-se de quebrar moléculas tóxicas e transformá-la em substâncias não-tóxicas. 

Como a gente ama de paixão falar sobre sustentabilidade e pensando no momento em que vivemos no Brasil, no qual as tragédias climáticas ganham cada vez mais forças, não podíamos deixar de abordar essa temática que é tão importante. Aqui, entenda como o cânhamo pode ajudar na recuperação do solo e do nosso planeta de forma sustentável!

 

Os benefícios do cânhamo para o solo

O cânhamo, variedade da Cannabis sativa que possui menos de 0,3% de THC, tem diversas aplicações industriais, nutritivas e medicinais. Mas, além de seus benefícios para a gente, ele esbanja benefícios para o solo. Alguns dos principais incluem:

  • Fitorremediação: o cânhamo tem a capacidade de limpar solos contaminados por metais pesados e outras toxinas, como chumbo, cádmio e níquel. Este processo, conhecido como biorremediação, envolve a extração de contaminantes do solo pelas plantas. 
  • Melhoria da estrutura: o cânhamo possui uma estrutura radicular profunda e extensa, que pode alcançar até 3 metros de profundidade. Esta característica ajuda a melhorar a infiltração de água no solo, a aeração e a estabilidade das partículas do solo. Essas melhorias podem resultar em solos mais saudáveis e produtivos a longo prazo.
  • Prevenção da erosão: a densa folhagem do cânhamo cobre rapidamente o solo, protegendo-o contra a erosão causada pelo vento e pela água. Essa cobertura também ajuda a reduzir a perda de água por evaporação, mantendo a umidade da terra.
  • Rotação de culturas e quebra de ciclos de doenças: quando usado na rotação de culturas, o cânhamo pode ajudar a quebrar os ciclos de doenças de plantas que afetam outras culturas. Além disso, seu rápido crescimento e sombreamento impedem o desenvolvimento de ervas daninhas, reduzindo a necessidade de herbicidas.
  • Baixa necessidade de pesticidas: o cânhamo é naturalmente resistente a muitos insetos e pragas, o que diminui a necessidade de uso de pesticidas. Isso contribui para um ambiente agrícola mais saudável e sustentável.

Além de tudo o que faz pelo solo, o cânhamo tem diversos outros benefícios ambientais. Um deles é sua eficácia na captura de dióxido de carbono da atmosfera. Um hectare de cânhamo pode sequestrar entre 9 a 15 toneladas de CO2 em apenas cinco meses! Incrível, né?

 

O cânhamo e a limpeza do solo

O cânhamo promove a limpeza do solo através de diferentes mecanismos. Imagem: Canva.

Vamos nos aprofundar um pouco mais na limpeza do solo. Afinal, qual o papel do cânhamo em tudo isso?

Como citamos anteriormente, o cânhamo desempenha um papel crucial na limpeza do solo através de um processo conhecido como fitorremediação! Este processo envolve o uso de plantas para remover, estabilizar ou destruir contaminantes presentes no solo e na água. 

O cânhamo é particularmente eficaz nesse processo devido a várias de suas características naturais. Algumas delas são:

  • Absorção e acúmulo de metais pesados: o cânhamo tem a capacidade de absorver metais pesados como chumbo, cádmio e níquel através de suas raízes. Esses metais são então acumulados nas partes da planta, como raízes, caules e folhas. Estudos, como os realizados em Chernobyl por pesquisadores alemães, confirmaram que o cânhamo pode extrair esses metais de solos contaminados.

Esta propriedade é benéfica em áreas onde o solo foi contaminado por atividades industriais ou agrícolas, que frequentemente resultam na presença de metais pesados.

  • Extração de toxinas: além dos metais pesados, o cânhamo pode também absorver outras toxinas presentes no solo, como resíduos de pesticidas e solventes industriais. Isso ajuda a reduzir a quantidade de poluentes químicos no solo.
  • Tolerância a solos contaminados: o cânhamo é altamente tolerante a solos contaminados, crescendo bem mesmo em condições adversas. Em experimentos, o cânhamo mostrou ser “super tolerante” ao selênio, um poluente ambiental comum, sem perda significativa de produtividade ou saúde da planta. Olha que demais!
  • Apoio à microbiota do solo: além de tudo isso, as raízes do cânhamo liberam compostos que podem aumentar a diversidade microbiana no solo. Esses microrganismos desempenham um papel importante na decomposição de matéria orgânica e degradação de poluentes.

 

Qual o papel do cânhamo na FITOrremediação?

A fitorremediação com cânhamo envolve vários processos:

  • Na fitoextração, as plantas absorvem os contaminantes do solo através de suas raízes. Assim, os acumulam em suas partes aéreas, que podem ser colhidas e tratadas ou descartadas de forma segura. 
  • Na fitodegradação, as plantas e os microrganismos associados às suas raízes degradam os contaminantes orgânicos do solo. Eles são transformados em substâncias menos tóxicas. 
  • A fitovolatilização ocorre quando algumas plantas absorvem contaminantes e os convertem em compostos voláteis. Depois, eles são liberados na atmosfera.
  • Na estabilização fitoquímica, as plantas estabilizam os contaminantes no solo, reduzindo sua mobilidade e evitando que contaminem a água subterrânea ou entrem na cadeia alimentar.

 

O que podemos esperar?

cânhamo e limpeza do solo
O futuro é incerto, ainda mais por aqui pelo Brasil. Imagem: Canva.

Embora o cânhamo tenha um grande potencial para a fitorremediação, há desafios e considerações que devem ser levados em conta!

  • Gestão de resíduos contaminados: as plantas usadas para fitorremediação podem se tornar resíduos perigosos, dependendo dos níveis de contaminantes que acumularam. É necessário um plano seguro para o tratamento e descarte dessas plantas, caso elas não possam ser processadas.
  • Pesquisa e desenvolvimento: ainda há necessidade de mais pesquisas para entender completamente como o cânhamo armazena os contaminantes e quais são as implicações para a saúde humana e ambiental.

Além de tudo isso, o cultivo de cânhamo para fitorremediação deve ser economicamente viável para os agricultores. A venda de produtos derivados do cânhamo, como fibras industriais, pode ajudar a compensar os custos, mas isso depende da regulamentação e do mercado!

 

FAQ

O que é cânhamo e como ele se diferencia da maconha? 

O cânhamo é uma variedade da Cannabis sativa que possui baixos níveis de THC, o composto psicoativo que causa a “chapadeira”. Portanto, o cânhamo não é usado como droga, mas é valorizado por suas fibras, sementes e óleos para diversas aplicações industriais, nutritivas e medicinais.

O que é fitorremediação? 

Fitorremediação é um processo que utiliza plantas para remover, estabilizar ou destruir contaminantes presentes no solo e na água. O cânhamo é especialmente eficaz neste processo devido à sua capacidade de absorver e acumular metais pesados e outras toxinas, melhorando a qualidade do solo contaminado.

Como o cânhamo limpa o solo contaminado? 

O cânhamo limpa o solo através de vários mecanismos. As principais são a fitoextração, a ftodegradação, a fitovolatilização, e a estabilização fitoquímica.

Quais são os benefícios do cânhamo para o solo?

O cânhamo oferece uma série de benefícios para o solo, além de sua capacidade de remover contaminantes. Entre esses benefícios, incluem-se a melhoria da estrutura do solo e a ajuda na prevenção da erosão. Outro benefício significativo é a redução da necessidade de pesticidas, graças à sua resistência natural a muitos insetos e pragas.

O cânhamo pode ser usado em solos extremamente contaminados?

Sim! O cânhamo tem demonstrado a capacidade de crescer em solos altamente contaminados sem perda significativa de produtividade, absorvendo e acumulando metais pesados e outras toxinas. No entanto, as plantas usadas para fitorremediação podem se tornar resíduos perigosos, dependendo dos níveis de contaminantes acumulados, e precisam ser tratadas ou descartadas de forma segura.

Qual é o impacto ambiental geral do cultivo de cânhamo? 

O cânhamo é uma planta resistente que pode crescer em uma variedade de condições, ajudando a melhorar a saúde do solo e a biodiversidade local. No entanto, como qualquer cultura comercial, seu cultivo pode esgotar nutrientes do solo e requerer uma quantidade significativa de água. É importante equilibrar os benefícios com práticas agrícolas sustentáveis!