GIRLS IN GREEN

Para quem cultiva outdoor, as culturas de cobertura podem ser uma forma incrível de preservar o solo e tornar todo o processo mais eficiente. E a gente explica isso por aqui!

Cultivar maconha vai muito além de se certificar que suas sementes ou clones vinguem, principalmente quando falamos sobre plantio outdoor. Nesse caso, o trabalho de um bom cultivador ou cultivadora se estende também ao solo e a todo o ecossistema que permite o desenvolvimento de suas amadas plantinhas. Cuidar bem da terra é uma missão árdua, e a cultura de cobertura (ou cover crop, em inglês), pode ajudar bastante!

Também conhecidas como “adubo verde”, as culturas de cobertura beneficiam seu solo de várias maneiras — prevenindo a erosão, sequestrando nutrientes, suprimindo o crescimento de ervas daninhas, repelindo indicadores biológicos danosos e mantendo um habitat saudável para organismos benéficos. 

Mas o que é exatamente uma cultura de cobertura? Como esse método pode ser empregado para ajudar no seu cultivo? Muita calma, pequeno gafanhoto: aqui, vamos explicar tudo isso e falar sobre as cover crops mais comuns.

Vem com a gente!

Foto colorida de uma planta de cannabis e trevos plantados juntos
A cultura de cobertura com trevo branco pode prevenir a erosão e é também uma planta fixadora de nitrogênio. Fonte: cannabisbusinesstimes

O que é uma cultura de cobertura?

De forma bem simples, uma cultura de cobertura é quando usamos qualquer tipo de planta para proteger e melhorar o solo, além de todo o ambiente de cultivo, para a próxima estação agrícola. 

Ao ar livre, em cultivos outdoor, o solo raramente está nu. Você pode perceber que, na natureza, algo está sempre crescendo ao longo do ano. O uso de culturas de cobertura imita o que já acontece naturalmente e serve para manter seu ecossistema próspero durante o período de entressafra.

Mas existem alguns benefícios mais específicos relacionados a essa técnica. Vamos falar sobre alguns deles?

Quais os benefícios das culturas de cobertura?

Segundo o MJ Biz, as cover crops ou culturas de cobertura podem ajudar os jardineiros a usar menos água e menos nutrientes nas suas plantinhas de maconha, além de reduzir os custos gerais vinculados à manutenção do solo e controle de indicadores biológicos.

As plantas de cobertura são frequentemente incorporadas como parte de um sistema de cultivo de solo vivo, no qual o meio de cultivo é rico em microrganismos. Nesse caso, são eles que alimentam as plantas de cannabis, eliminando a necessidade de nutrientes sintéticos. Ótimo, certo?

Mas vamos focar em três benefícios principais dessa prática que mora no nosso coração:

Culturas de cobertura ajudam a evitar pragas

Muitos fazendeiros e fazendeiras usam culturas de cobertura como parte de um Manejo Integrado de Pragas (MIP). E só quem já sofreu na mão dos bichinhos sabe o quanto eles podem prejudicar um jardim!

Alguns dos terpenos e terpenoides naturais nas culturas de cobertura têm o poder de afastar insetos predadores. A mostarda é um exemplo, mas não é a única opção. Outras plantas ainda podem alimentar e “aprisionar” insetos que trazem danos à maconha, fazendo com que eles se distraiam e fiquem de estômago cheio antes de chegarem até suas preciosas plantas.

Manter um solo saudável com as cover crops também dá mais resistência às plantas, melhorando suas respostas imunológicas e fortalecendo suas plantas para que elas fiquem cada vez menos suscetíveis a ataques. Garantir um solo com bom poder de drenagem ainda combate fungos que podem acabar com a sua colheita.

O centeio, a aveia e o trigo são ótimos para isso.

Proteção do solo entre ciclos de plantio de maconha

Se você tem um cultivo outdoor, é muito difícil conseguir fazer ciclos fechados. E, enquanto você espera que as condições climáticas estejam ideais para seguir cultivando, as culturas de cobertura podem fazer a manutenção do solo e ajudar a garantir que ele esteja saudável para as plantinhas que estão por vir.

As culturas de cobertura protegem o solo, já que um solo nu é muito mais exposto a todos os elementos e intempéries. Isso ajuda a proteger também a vida dos microorganismos que garantem o equilíbrio na sua terra, principalmente em sua camada mais superficial.

O ideal é fazer uma cultura de cobertura no outono, logo após sua última colheita antes do inverno. A aveia, por exemplo, é uma opção de crescimento rápido, que ajuda a prevenir a erosão do solo em períodos de chuva intensa.

Outro benefício das plantas de cobertura é o sequestro de nitrogênio e carbono no solo. A alfafa pode ser perfeita para ajudar a compactar e arejar sua terra. Isso vai ajudar você a economizar nos fertilizantes! Suas plantas ainda vão precisar deles, é claro, mas em um volume bem menor.

Menos desperdício em geral

As culturas de cobertura acabam sendo essenciais para os produtores que usam solo vivo, e garantem menos emissão de gases e desperdício — de tempo, dinheiro e recursos.

Por exemplo: graças às culturas de cobertura, a fazenda da Stone Road, na Califórnia, usa o mesmo solo há sete anos. O CEO da companhia disse que substituir o solo a cada ano custaria de US$ 150.000 a US$ 200.000. É grana pra caramba! Imagina tudo o que é possível fazer só por conta dessa economia?

Além disso, a economia não é só de dinheiro. As cover crops acarretam uma redução no impacto ao meio ambiente, por não haver a necessidade de transportar a terra usada ou o uso ostensivo de fertilizante sintético.

Qual cultura de cobertura usar no cultivo de maconha?

São muitas as opções de plantas perfeitas para fazer uma cultura de cobertura no cultivo de maconha! Aqui, vamos falar sobre algumas das principais que encontramos e seus pontos positivos:

Foto colorida de um cultivo de centeio
Cultivo de centeio Foto: BAHDANOVICH ALENA

Centeio

O centeio é uma ótima opção para uma cultura de cobertura de inverno, já que ele pode germinar em temperaturas mais baixas (cerca de 1°C) e sobreviver à geada. Essa cover crop desenvolve raízes bem profundas e fibrosas, que ajudam bastante a manter os nutrientes no solo, evitando seu escoamento durante os invernos úmidos e gelados.

Além disso, essas raízes absorvem nitrogênio, que pode ser devolvido ao solo. Outro benefício do uso do centeio como planta de cobertura é que ele tem efeitos alelopáticos negativos — ou seja, ele libera compostos que impedem a germinação de ervas daninhas que podem atrapalhar você no futuro.

Foto colorida de um cultivo de trigo de inverno
Cultivo de Trigo de inverno fonte: mundoecologia

Trigo de inverno

O trigo de inverno age de forma bem semelhante ao centeio. Sua cultura ajuda a evitar o escoamento de nutrientes e o empobrecimento do solo durante os meses de inverno. Ele cresce vigorosamente e dá um “chega pra lá” nas ervas daninhas concorrentes. 

Alguns jardineiros escolhem trigo de inverno em vez de centeio porque ele é mais fácil de matar na primavera, permitindo que você espere mais para lavrar ou cortar. Quanto mais tempo você deixar suas plantas de cobertura crescerem, mais tempo você poderá proteger o solo da erosão e da perda de macronutrientes, micronutrientes e microorganismos benéficos.

Foto colorida de uma mão mostrando um cultivo de trevo
Trevo, uma ótima opção de planta companheira da cannabis

Trevo

O trevo é um fixador de nitrogênio, o que significa que ele sequestra nitrogênio no solo para suas plantas de maconha usarem mais tarde. O trevo pode ser cultivado com a cannabis como uma planta companheira, cujo conceito já explicamos aqui no blog, ou pode ser cultivado durante a entressafra (na primavera ou no final do inverno). 

Suas raízes são rasas, mas ainda trabalham bem e cumprem a missão de melhorar a qualidade do solo e evitar a compactação de suas camadas mais superficiais.

Foto colorida de uma planta de mostarda em flor
Mostarda, uma planta de cobertura que funciona bem com a cannabis

Mostarda

Como cultura de cobertura, a mostarda funciona bem no início do outono ou na primavera  e evita que doenças e indicadores biológicos se desenvolvam no solo. A planta faz isso através de um processo conhecido como “biofumigação”, no qual substâncias chamadas glucosinolatos são liberadas da planta quando ela é cortada. 

A mostarda é simples de cultivar e fácil de cortar antes da próxima estação de cultivo. Por isso, é uma das favoritas de quem já faz culturas de cobertura há um tempo!

Foto colorida de uma planta de couve
As raízes da couve ajudam a evitar a erosão  Fonte: safraviva

Couve (ou kale)

Bem menos tradicional que as já citadas, a couve cresce bem em invernos amenos — e dá uma saladinha pra lá de gostosa e nutritiva. 

Embora não fixe nitrogênio, as raízes da couve afundam no solo e protegem a valiosa estrutura que você criou, evitando a erosão e ajudando a manter um ecossistema equilibrado. Maximize a produtividade desta planta usando as sobras de suas plantas para cobrir seus solos.

Cada planta de cobertura tem propriedades únicas, mas o valor da linha de base permanece o mesmo: seu solo ficará muito mais feliz e vivo se você lhe der plantas para trabalhar o ano todo. Se você deixar seu solo sem vigilância, perderá a biodiversidade que suas plantas amam e, ao mesmo tempo, entregará nutrientes ao escoamento. Se você ainda não tiver certeza de quais culturas de cobertura usar, seu viveiro local deve ter recomendações específicas para suas necessidades e clima.

E aí, gostou de aprender mais sobre isso? Não esquece de nos seguir lá no Instagram @girlsingreen710 para mais dicas de cultivo, Redução de Danos e muito mais.

Mãos à terra e até a próxima!

guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Apenas um jardineiro
Apenas um jardineiro
12 dias atrás

Adorei o texto!