GIRLS IN GREEN

Muito além de ter uma substância segura para o consumo, é preciso saber qual a melhor dose para os efeitos que você procura! Aqui, vamos contar para vocês quais são as dosagens ideais de alguns dos principais psicodélicos para uma viagem incrível.

Com o avanço das pesquisas e dos estudos sobre os efeitos de substâncias psicodélicas, vários pontos interessantes vieram à tona – principalmente sua capacidade de, em doses terapêuticas, tratar de distúrbios que vão desde o Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) até depressão e ansiedade existencial em pacientes terminais. Por isso, o desejo de experimentar as “viagens” provocadas por elas tem se tornado cada vez maior por aí.

No proibicionismo, essa pode virar uma tarefa difícil: além de encontrar substâncias seguras para experimentar, ainda contamos com várias incertezas quanto às dosagens ideais para cada intenção. Já falamos por aqui sobre as microdosagens e o quanto elas podem ser interessantes, mas, para quem busca macrodosagens e experiências mais intensas, a situação já fica diferente.

Muitas substâncias estão sob a denominação de “psicodélicos”, incluindo plantas, fungos e compostos sintéticos. Os “psicodélicos clássicos” incluem LSD, psilocibina, DMT e MDMA, e podem ajudar com ansiedade, depressão e muitas outras condições. Além deles, existem tantas outras substâncias psicodélicas que podem oferecer benefícios às pessoas – mas hoje vamos tratar dessas nossas velhas conhecidas!

Uma das melhores formas de reduzir danos quando falamos no consumo dessas substâncias, principalmente em contextos proibicionistas, é saber, além da procedência, a dosagem ideal para uma viagem sem problemas. Comece devagar, vá com calma, e se mantenha seguro – esse é basicamente o lema nesses casos!

Vem com a gente para descobrir como se aventurar na psicodelia de uma forma mais segura.

ALERTA: esse conteúdo foi feito para as pessoas que já decidiram fazer o uso de alguma substância psicodélica e querem transformar esse momento em uma experiência mais segura. De forma alguma estamos incentivando o uso desses compostos, apenas reduzindo os danos e ofertando informações de qualidade!

Lembrando que existem grupos de risco para o consumo de psicodélicos. Para indivíduos que possuem um histórico familiar de esquizofrenia ou uma tendência à essa manifestação psíquica, o uso desses compostos deve ter evitado.

fonte: pinterest

Como os psicodélicos agem em nosso cérebro?

Vamos começar com uma explicação bem básica sobre os efeitos que as substâncias psicodélicas provocam em nosso cérebro. Os psicodélicos clássicos, também chamados de psicodélicos serotonérgicos, incluem psilocibina (encontrada em cogumelos mágicos), DMT (comumente consumida no chá de ayahuasca), LSD e MDMA. Eles são chamados assim pois compartilham um método de ação fortemente ligado ao neurotransmissor da serotonina – que nos causa aquela sensação de bem-estar que amamos.

Quando você consome psicodélicos, você ativa os receptores de serotonina. Então, eles disparam esses receptores de forma desorganizada, interrompendo a função normal do cérebro e desencadeando uma experiência psicodélica. Como consequência, essa ruptura de estruturas, incluindo as estruturas da psique, pode exercer efeitos profundos no indivíduo, Incrível, né?

Os receptores de serotonina são encontrados em todo o cérebro, mas em níveis particularmente elevados no córtex cerebral, a região do cérebro responsável por funções de ordem superior, como percepção, pensamento, compreensão da linguagem e memória.

Nessas viagens, você pode experimentar:

  • uma consciência elevada;

  • mudanças de humor;

  • uma sensação distorcida de tempo;

  • sentidos táteis aprimorados;

  • alucinações (visuais, auditivas, sensoriais)

  • essencialmente uma experiência sensorial completa;

A estimulação do receptor de serotonina muitas vezes leva a formas mais flexíveis e criativas de pensar e compreender, aumentar a imaginação e se abrir para o novo e o desconhecido. O efeito de longo prazo dessa explosão de liberação de serotonina produz um relaxamento da mente e um aumento geral no otimismo e bem-estar. E é por isso que geral curte uma boa psicodelia!

fonte: pinterest

E existe uma fórmula mágica para dosá-los?

Pensar e calcular a dosagem é essencial para qualquer experiência psicodélica. A quantidade que está sendo ingerida pode dizer muito de como a experiência psicodélica vai desdobrar – desde cores mais vibrantes até uma profunda dissolução do ego. Assim como a maconha, a dosagem de cada substância depende muito do organismo de quem está tomando, além da pureza do que vai ser consumido. Vamos lembrar da frase de Paracelso: “a diferença entre o remédio e o veneno está na dosagem”.

Aqui nós construímos um pequeno guia para entendermos melhor sobre a dosagem de alguns psicodélicos e, dessa forma, tomarmos decisões mais conscientes e informadas na hora de calcular o quanto vai ser ingerido.

Cada substância é um caso diferente:

Dosagem da psilocibina

A psilocibina, presente nos famosos cogumelos mágicos, é um alcaloide psicodélico que ativa principalmente os receptores 5ht2a (receptores de serotonina) o mais proeminente no córtex pré-frontal do cérebro – área responsável pelo nosso humor, cognição e percepção.

Após a ingestão, a psilocibina é absorvida e metabolizada em um processo que dura em torno de 30 minutos, com uma duração que varia de quatro até seis horas.

Quanto à dosagem, embora não haja como saber 100% quanta psilocibina está presente em cada cogumelo, existem os seguintes parâmetros:

  • Para efeitos leves, de 0.5 a 1.2 gramas desidratadas;

  • Para efeitos moderados, de 1.2 a 3 gramas desidratadas;

  • Para efeitos fortes, acima de 3 gramas desidratadas.

Segundo o Global Drug Survey, levantamento de saúde pública feito com 120 mil usuários de drogas em 50 países, a psilocibina é a substância psicoativa mais segura do mundo. Essa taxa é pelo menos três vezes menor que a de qualquer outra droga, de origem natural ou sintética!

Eles também são mais fáceis de dosar. Basta colocar na balança para sabermos o que esperar daquela experiência com a psilocibina (é claro que varia pra todo mundo, mas você entendeu!). Isso torna essa substância uma escolha interessante para quem quiser viajar e reduzir danos ao mesmo tempo.

Dosagem do LSD

LSD é a sigla para dietilamida de ácido lisérgico, que vem do fungo do centeio. Sim, é isso mesmo que você leu: o LSD vem do pão, ou mais exatamente do fungo Claviceps purpurea, ou esporão-do-centeio, que infestava os plantios do grão. Na Idade Média, existem relatos no qual a intoxicação causada pelos alcaloides do fungo (ergotismo), levavam o nome de “Fogo Sagrado” ou “Fogo de Santo Antônio”. Dos mais de 40 alcaloides que são produzidos pelo fungo, e que após isolados puderam ser amplamente estudados, os medicinais vão desde tratamento de dores de cabeça e enxaqueca, hemorragia pós-parto e várias desordens psicológicas. Um dos principais deles é a ergotamina.

De acordo com o coletivo de Redução de Danos ResPire/É de Lei, o efeito pode variar de acordo com a dosagem, mas geralmente dura entre seis e 12 horas. Eles normalmente surgem em 20 a 90 minutos e atingem o pico em torno de 2 a 3 horas, mas isso pode variar de pessoa para pessoa.

  • Para a maioria das pessoas, uma dose de 1 a 3 microgramas por quilograma de peso corporal é suficiente para produzir uma viagem moderada.

  • Sem testes químicos, é impossível saber quanto LSD existe em qualquer produto que você escolha tomar. No entanto, uma aba de um quarto de polegada de um papel normalmente contém de 30 a 100 microgramas.

  • Uma gelatina de LSD pode conter um pouco mais de ácido por peça. Eles geralmente contêm de 50 a 150 microgramas.

  • O LSD líquido é muito potente. Você deve evitar tomá-lo diretamente, a menos que saiba o quão diluído é.

O LSD é um dos psicodélicos mais potentes do mundo. O composto é medido em microgramas, de forma que se torna desafiador medir as doses. Se você nunca consumiu tal amostra antes, o ideal é dividir as doses. Caso seja um papel, também conhecido como blotter, comece com 1/4 ou meio blotter. Aguarde a substância fazer efeito, e só assim dose de novo caso seja necessário. Doses altas de LSD dar origens à viagens intensas, as tão conhecidas “bad trips” e até mesmo desencadear surtos psicóticos pontuais em indivíduos saudáveis.

Dica de ouro das manas do Girls In Green: como a experiência é duradoura, escolha um dia livre de preocupações para fazer o consumo!

Dosagem do DMT

O DMT é o principal princípio ativo da ayahuasca! Basicamente, a ayahuasca é feita de dois elementos: pedaços do cipó jagube (ou mariri) e folhas de um arbusto chamado chacrona. O arbusto contém o DMT (n,n-dimetiltriptamina), enquanto o cipó conta com inibidores da monoamina oxidase, que permitem que o DMT passe pelo sistema digestivo sem ser destruído. É um trabalho em equipe que torna essa sinergia de plantas tão poderosa. Também existem outras ervas que podem fazer parte da decocção, e o mix escolhido depende da tribo ou da religião que a utilizará. Também é possível encontrar o DMT fora do chá.

O DMT sintético entra em ação muito rápido, produzindo efeitos em 5 a 10 minutos. Geralmente, os efeitos do DMT inalado, aspirado ou injetado duram cerca de 30 a 45 minutos.

Beber em uma infusão como a ayahuasca tende a produzir efeitos em 20 a 60 minutos, e a viagem pode durar de 2 a 6 horas.

Com o DMT sintético, a dosagem geralmente é:

  • Mínima: 2 – 5 mg

  • Leve: 10 – 20 mg

  • Razoável: 20 – 40 mg

  • Forte: 40 – 60 mg

A ayahuasca também é conhecida como o “cipó do espírito”, de origens indígenas e das populações nativas da América do Sul. Os seus usos normalmente são feitos em contextos ritualísticos e/ou religiosos. As dosagens dos chás variam dependendo da potência de cada mistura e do contexto onde o uso está ocorrendo. Se você deseja ter uma experiência com a ayahuasca, recomendamos que procure centros seguros e confiáveis para isso. É comum o relato de experiências difíceis, por isso a importância de estar em um espaço que dê conta de integrar experiências intensas.

Dosagem de MDMA

O MDMA é um empatogênico, que age liberando os neurotransmissores serotonina, dopamina e norepinefrina – responsáveis pelo prazer, o bem-estar e o foco. Ele aflora os sentimentos, aumenta a empatia e destrói uma barreira que o ser humano coloca entre a realidade e seus desejos. A substância desconstrói obstáculos psicológicos, de forma que facilita a comunicação na terapia! Não é à toa que psicólogos estão na ansiedade para poder trazer o MDMA para o contexto terapêutico legalmente.

Os efeitos da substância são sentidos aproximadamente 20 minutos após a ingestão e podem durar de 4 a 6 horas.

  • Aproximadamente 75-100 mg de MDMA é considerado uma dose única, mas como a pureza do MDMA é frequentemente imprevisível, por isso é melhor começar com dosagens baixas e ir devagar.

  • Se for em forma de comprimido ou “pílula”, comece com um quarto ou meio.

  • Se estiver usando pó, use o teste de esmagar, esfregar e esperar: esmagar seu MDMA em um pó fino, molhar a ponta do dedo nele e esperar 2-3 horas antes de dosar novamente. Observe que pode levar 3 horas para sentir os efeitos do MDMA se você tomar MDMA com o estômago cheio.

Dicas gerais de Redução de Danos para uso de psicodélicos

  • Pesquise bem sobre a substância antes de tomá-la para entender seus efeitos e possíveis riscos.

  • Se alimente e beba água antes, durante e depois da experiência.

  • Avise alguma pessoa querida que você está embarcando em uma viagem psiconáutica!

  • Prepare o ambiente! Esse aspecto diz muito sobre como a sua experiência pode se desdobrar.

  • Prepare-se também quanto às suas expectativas: saiba que você poderá ter experiências boas ou ruins, como em um sonho, e que você deverá lidar com elas com tranquilidade, sem entrar em pânico. Entrega é o caminho.

  • Lembre-se de que uma grande parte da experiência com qualquer psicoativo depende do set and setting – isto é, onde você se encontra fisicamente e psicologicamente ao consumir.

  • Não misture substâncias! O risco de interações pode ser alto dependendo dos compostos escolhidos.

  • Use-a em um local seguro, onde você não possa se machucar.

  • Calcule o tempo entre as dosagens! Como experiências psicodélicas podem trazer diferentes percepções temporais nossa dica é: tire um screenshot da tela do seu celular de se dosar (mais uma dica de ouro!).

    alerta.jpeg

E aí, curtiu esse post? Nós achamos que as experiências psicodélicas são fascinantes – e que mesmo aquelas viagens mais intensas vem com algo para nos ensinar. Assim como a maconha, as substâncias tendem a trazer à tona o que está no nosso interior. Se você está em um momento de medo, dúvida, ansiedade ou insegurança, tudo isso pode se refletir na sua trip.

Com informação e autoconsciência, você pode ter uma viagem mais segura e mais confortável. Esperamos que elas sejam sempre enriquecedoras!

Até a próxima!

guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Giovanna
Giovanna
10 meses atrás

Hoje foi minha primeira trip com cogu, e esse conteúdo é tão necessário! Vocês n fazem ideia ❤️